Apesar de alerta, escola funciona sobre lixão

Por: EDUARDO GERAQUE

Colégio da rede municipal na zona norte de SP está em terreno que, segundo a Cetesb, tem alta concentração de gás inflamável

Prefeitura fez em 2007 acordo com o órgão para transferência da escola, que tem 289 alunos de 4 a 6 anos


Com 289 alunos de 4 a 6 anos, uma escola municipal na Vila Nova Cachoeirinha (zona norte de São Paulo) funciona sobre um antigo aterro de lixo que, segundo a Cetesb, tem grandes concentrações de gás metano, que oferece riscos de explosão e contaminação.

Em 2007, o órgão estadual e a prefeitura decidiram pela retirada da escola, mas ainda não há previsão para que isso aconteça.
“Nós confiamos no que eles [funcionários da escola] dizem, que não existe risco. As crianças, pelo menos, não entendem o problema”, diz Mirtes Penalva, moradora do bairro, enquanto espera seu filho na saída da escola de educação infantil Vicente Paulo da Silva.

A mãe se diz mais preocupada com a possível mudança do colégio. “Aqui perto não tem outra escola infantil. Se for para longe, como estão falando, meu filho não estudará mais”.

O aterro sob os pés das crianças da escola Vicente Paulo da Silva existiu entre 1960 e 1980. O nome do local, inaugurado em 1988, na gestão Jânio Quadros (1917-1992), é uma homenagem a um escultor mineiro.

Desde 1999 é sabido oficialmente que o local está sobre um aterro de lixo. Os resíduos não estão visíveis e as crianças não têm contato com eles.

Perto do grupo infantil, famílias vivem em casas da Cohab também construídas em área de risco. Em 2006, na gestão Kassab (DEM), a prefeitura recebeu multa ambiental pela ocupação da região.

Com exceção da escola, onde o problema é discutido com os pais dos alunos, o resto do bairro fica sabendo das informações por vizinhos. Procurada, a prefeitura não soube dizer a extensão do aterro.

 

Em toda a cidade
Na capital paulista, mais de 30 zonas de moradias estão crescendo sobre antigos aterros ou lixões. Viver em lugares assim não significa apenas desafiar as eventuais explosões, mas a transmissão de doenças.

Locais onde o lixo aflora, como ocorre em algumas favelas, podem gerar focos de leptospirose ou cólera, segundo especialistas. A água do lençol freático, normalmente usada em poços artesianos, também pode ser facilmente contaminada.

Das áreas identificadas como problemáticas, algumas estão parcialmente sob loteamentos e outras por baixo de favelas.
Duas delas, a da Willin (Ipiranga) e da Quadra de Futebol (Brasilândia), estão 100% construídas em áreas de lixão.

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

para lembrar

Obra sobre História da África é traduzida para uso em licenciaturas

Obra sobre História da África é traduzida para uso...

Quem são os americanos que vão estudar Medicina em Cuba

A americana Sarpoma Sefa-Boakye descobriu que queria ser médica...

“Existe um ataque a todas as formas de educação”, diz Lilia Schwarcz

Uma das historiadoras mais renomadas do país, Schwarcz fala...

Quatro em cada dez adultos que retomam os estudos abandonam seus cursos

Fonte: UOL Educação Por Simone Harnik Foto: Getty Images Concluir os estudos de...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=