Artista gay e negro mostra como o racismo e a homofobia são travestidos como ” preferência ” na comunidade LGBT

Donovan Thompsom fala sobre o “colorism”, preconceito de negros contra negros; raciocínio também se aplica ao preconceito contra efeminados

por: James Cimino

Você acha que o fato de você deliberadamente ter estabelecido que não gosta de negros, orientais, efeminados, gordos, idosos ou qualquer outro grupo é mera preferência. Não é. Você apenas embala seu preconceito em um embrulho palatável de forma a expressá-lo de forma inócua.

No texto abaixo, traduzido do post de Donovan Thompson para o “Huffington Post“, você vai entender o porquê.

“Eu normalmente não saio com caras negros, mas você é gostoso.” Ok, então eu devo dizer obrigado? Eu deveria estar contente que eu sou a exceção a sua regra, impulsionada, sem dúvida, por auto-aversão? Eu deveria me sentir aliviado que talvez, para você, meu nariz não seja muito grande, assim como meus lábios e meus cabelos não são tão crespos a ponto de compensar a minha pele muito escura? Bem, seu auto-ódio, não me excita e eu não estou muito feliz de ter sido seduzido pela sua ignorância.

O “colorism” é real e deixa meus nervos à flor da pele! Sendo um homem gay negro já é bastante difícil quando se considera todos os antagonismos em jogo, incluindo o racismo, tanto fora quanto dentro da comunidade gay, além da homofobia dentro e fora da comunidade negra.

Notem que eu recebi variações deste “elogio” extremamente idiota em várias ocasiões. Toda vez que isso acontece, eu me lembro de que eu abomino a ideia de ser uma exceção. Parabéns, você é escuro, mas de boa aparência! Bem, e se eu estivesse vestido de forma diferente, o que mudaria? Ser uma exceção é perigoso porque tudo que diz respeito a você se torna um ato de compensação. É uma mistura entre não ser exatamente o que as pessoas esperam (a ponto de você se destacar) e, ao mesmo tempo, ser apenas o suficiente para que você seja identificável em um grupo. Eu não estou interessado nisso. Prefiro ser excepcional. Sim, há uma diferença.

“O ‘colorism’ é quando as pessoas de cor discriminam outra pessoa de cor. Muitas vezes isso se resume à crença de que, quanto mais claro é o seu tom de pele, mais bonito você é, mais inteligente você é, mais bem sucedido você é. De acordo com a autora Marita Ouro, colorism é ‘a crise de saúde mental mais não reconhecida e sem solução em comunidades de cor ao redor do mundo’.” Oprah

 

donovan

Donovan Thompson,artista, escritor e ativista

Eu nunca tive um problemas com a cor da minha pele, mas quando fiquei mais velho comecei a perceber que há um monte de pessoas que têm. Tenho ouvido de membros da família, amigos e até de estranhos sobre o seu amor por peles mais claras. Eu costumo fazer esta descoberta depois de pedir-lhes para descrever seu homem ideal ou a mulher ideal. Chamam isso de “preferência”. Eu desprezo essa palavra. Eu detesto o fato de que centenas de anos de escravidão física e mental, mentiras, manipulação de massa e de marketing podem ser perfeitamente apresentados a mim em um embrulho chamado “preferência”. Desculpem, mas essa não cola.

Há algo mais profundo sobre a noção de que alguém teria uma preferência ou uma atração intransigente pela imagem diferente de seu próprio reflexo. O que esse espelho está dizendo para nós quando estamos olhando diretamente para o rosto de todas as nossas inseguranças? Como é que a nossa confiança pode ser medida pelas imagens do padrão aceito de beleza que já consumimos ao longo dos anos quando eles estão vazios de tons mais escuros? Então, a gente pode até querer algo diferente, mas sabemos que isso é uma mentira. Eu odeio mentiras.

Eu olho para as qualidades extraordinárias em um homem. Eu não dou a mínima sobre a cor deles. Quem tem tempo para isso, especialmente com todos os psicopatas que temos que eliminar para chegar aos sensatos? Inferno, eu posso acabar com um belo alienígena se ele tiver planos de se estabelecer e de ter uma família. E eu não veria sua cor do mesmo jeito!

Agora vou planejar uma viagem para Aruba, para que eu possa pegar um bronzeado.

Fonte: Lado Bi

+ sobre o tema

Pai e filha mudam de gênero juntos nos EUA

Caso ocorreu em Detroit e chamou atenção no mundo Do...

Mapa de direitos LGBT e dados sobre violência mostram divisões e contradições

Dados sobre legislação e violência relacionada à comunidade LGBT...

‘A sociedade está preparada para nos separar’: O amor entre dois homens que emocionou o mundo

'A sociedade está preparada para nos separar': O amor...

‘Eu era neonazista até ser presa e me apaixonar por uma negra’

Angela King lembra quando foi a um bar já...

para lembrar

Homofobia: Professor da UFT é assassinado com facada em Tocantinópolis

O professor da UFT, Cleides Antônio Amorim, foi assassinado...

Na abertura da Copa, pais ensinam filhos a xingar croata de ‘viadinho’

Eu não fui à Arena Corinthians na abertura da...

Héteros fazendo papel de gays são mais frequentes que gays interpretando héteros

De Daniel Day Lewis a Oscar Magrini, muitos atores...

Preconceito e assassinatos: A cada hora, um gay sofre violência no Brasil; denúncias crescem 460%.

Neste ano, em um levantamento até outubro, os episódios...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...
-+=