As mulheres que cultivam mandioca no Suriname para vendê-la nos Países Baixos

Tania Liew-A-Soe é a presidenta e fundadora da cooperativa agrícola Wi! Uma Fu Sranan (WUFS), que em português significa: Nós! As Mulheres do Suriname. Uma cooperativa que nasceu nas remotas comunidades da região de Brokopondo, no interior deste país caribenho que até a década de setenta era uma colônia holandesa. Lá, quase toda a população é de mulheres e crianças. Há muitos poucos homens. O emprego é escasso e eles saem para caçar durante semanas ou meses ou, no pior caso, migram a trabalhar nas zonas costeiras ou nas minas de ouro. Elas ficam para cuidar da família e da terra.

Em Brokopondo, a população é majoritariamente descendente dos quilombolas, africanos escravizados historicamente excluídos. A mandioca foi um alimento básico e muito especial que ajudava a subsistir às comunidades. Esse tubérculo presente na América Latina e o Caribe possui múltiplas formas de cozinha. “As mulheres conhecem bem como cultivar e produzir mandioca, por isso são as verdadeiras protagonistas da cadeia de valor. Graças a sua perseverança e determinação, em 2014 elas conseguiram colocar seus primeiros produtos à venda”, explica Lieuw-A-Soe por videoconferência.

O trabalho das mulheres da mandioca atraiu o interesse do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). “Elas formaram uma cooperativa e nós vimos a oportunidade de fortalecer a sua capacidade empreendedora. Chamou a nossa atenção que tinham uma visão e ambição de crescer, melhorar a produção em termos de qualidade e quantidade e envolver-se mais nas cadeias globais de valor”, explica por videochamada Michael Hennesey, especialista da Divisão de Competitividade, Tecnologia e Inovação do BID. Assim, focados no mercado e na comercialização, já não só cultivam mandioca para subsistir, mas a transformam, desenvolvendo inovadores produtos à base desse tubérculo, como pão pronto para o forno, panqueca de mandioca sem glúten ou seu famoso mingau para bebês e idosos. “No BID, cremos que é importante identificar e apoiar projetos com potencial de crescimento que melhorem vidas, e a mandioca era um produto tradicional ao qual se podia agregar valor.”

Continue lendo aqui

 

+ sobre o tema

Mas afinal, o que querem as pessoas brancas? Sobre o uso (in)consciente da estética aceitável.

Qualquer pessoa negra passa por inúmeras situações de racismo...

Live terá como tema a Campanha Julho das Pretas – “A vida de meninas e mulheres negras importam”

A Subsecretaria de Políticas Públicas para Promoção da Igualdade...

Crescendo Negra: O assédio de todos os dias

Ilustração feita com exclusividade por Ana Carolina Matsusaki (Nã) por...

O Julho é das Pretas; o racismo é todo seu

O Julho é das Pretas. Em julho, honramos o...

para lembrar

Yes! Nós temos it Girls!

Compartilhei no Twitter que não leio mais blogs que não...

Lívia Casseres: A esperança corre nas veias das mulheres negras

Nos primeiros dias de 2021, um sopro de esperança...

Mulheres Negras e os títulos acadêmicos desde nossa ancestralidade

Dentre os tantos conteúdos assistidos no período da pandemia,...

Conexões Geledés: o que aprendemos com organizações de mulheres negras?

Em 1992, na República Dominicana, aconteceu o Primeiro Encontro Latino-Americano...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha em passar o cajado para descansar. Com olhar cansado e triste, cabelos brancos, mãos trêmulas com...

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa data. A narrativa literária é considerada uma das fontes de produção do conhecimento histórico sobre...
-+=