Atriz Ruth de Souza morre no Rio aos 98 anos

Enviado por / FonteDo G1

Morreu neste domingo (28) a atriz Ruth de Souza, de 98 anos. Ela estava internada no Centro de Tratamento Intensivo do Hospital Copa D’Or, em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

Este ano, Ruth foi homenageada pela escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz durante desfile da Série A do carnaval do Rio. O último trabalho dela na TV Globo foi na minissérie “Se eu fechar os olhos agora”, também em 2019.

Ruth de Souza nasceu em 12 de maio de 1921, no bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Ela foi a primeira atriz negra a se apresentar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. E fez história no dia 8 de maio de 1945, ao se apresentar em “O Imperador Jones”, de Eugene O’Neil, numa montagem do Teatro Experimental do Negro, grupo fundado por Abdias Nascimento e Agnaldo Camargo. E seu feito ajudou a abrir caminho para o artista negro no Brasil.

Na televisão, foi uma das pioneiras. Passou pela TV Tupi, pela Record, TV Excelsior e, em 1968, Ruth de Souza foi contratada pela Globo para atuar na novela “Passo dos ventos”, onde interpretou a mãe de santo Tuiá, uma mulher sábia cujos antepassados eram escravos, no Haiti.

Seu último trabalho foi na minissérie “Se eu fechar os olhos agora”, neste ano. Na história recriada por Ricardo Linhares a partir do romance original de Edney Silvestre, ela viveu Madalena. Idosa e abandonada, a personagem era “adotada” pelos meninos Paulo Roberto (João Gabriel D’Aleluia) e Eduardo (Xande Valois) antes de ser assassinada de forma brutal e misteriosa.

Filha de um lavrador e de uma lavadeira, desde criança Ruth sonhava em ser atriz. “Eu era apaixonada por cinema. Queria ser atriz, mas naquela época não tinha atores negros, e muita gente ria de mim: ‘Imagina, ela quer ser artista! Não tem artista preto’. Eu ficava meio chateada, mas sabia que ia fazer; como, não sabia”, declarou a atriz no site Memória Globo.

Atriz fez mais de 20 novelas
Como uma das pioneiras da TV brasileira, a atriz participou de programas de variedades e musicais no início das transmissões da TV Tupi, até adaptar para a televisão, com Haroldo Costa, a peça “O filho pródigo”, que havia encenado no Teatro Experimental do Negro. A primeira novela foi “A deusa vencida” (1965), de Ivani Ribeiro, na TV Excelsior.

Ruth de Souza emocionada durante homenagem no desfile da Acadêmicos de Santa Cruz, no carnaval de 2019, no Rio — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Ruth de Souza foi contratada pela Globo em 1968, para atuar na novela “Passo dos ventos”, de Janete Clair. Na emissora, fez mais de 20 novelas. Entre elas: “A cabana do Pai Tomás”, “Pigmalião 70”, “Os ossos do barão”, “O rebu”, “Duas vidas” e “O clone”, entre outras.

Em “Sinhá Moça” Ruth fez uma dupla inesquecível com Grande Otelo. Também autou em seriados como “Memorial de Maria Moura” e “Na Forma da Lei”.

No cinema, Ruth participou de mais de 30 filmes, incluindo “Sinhá Moça”, de Tom Payne. O filme levou Ruth a concorrer ao prêmio de Melhor Atriz do Festival de Veneza de 1954. A atriz esteve também no clássico “O assalto ao trem pagador” (1962), de Roberto Farias, e “As filhas do vento”, de Joel Zito Araujo, com o qual foi premiada no Festival de Gramado de 2004.

Ruth de Souza era grande admiradora do cinema por entender que era onde o artista negro tinha mais oportunidades.

A atriz Ruth de Souza na juventude: grande parte de seus papéis na TV foram de empregada ou escrava – Foto: Acervo Folhapress

“O cinema sempre deu mais oportunidade para o negro, desde o Grande Otelo. Eu tive sorte na continuidade de trabalho, tanto no teatro quanto na televisão. Sempre tive trabalho, mas são poucos os negros que têm. Isso foi benção de Deus”, declarou

Leia Também:

OUTROS DIAS DA MULHER: Ruth de Souza foi a primeira atriz negra a atuar no Municipal do Rio

Pérola Negra: Ruth de Souza

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

+ sobre o tema

O cantor Prince é encontrado morto na manhã desta quinta-feira

O cantor Prince foi encontrado morto na manhã desta...

Efeitos de cor

Mercado editorial internacional vem mostrando curiosidade em relação a...

`Ela precisa de tratamento´, afirma Dudu Nobre sobre Adriana Bombom

Em entrevista à revista "Veja" deste sábado, 25, o...

Sharapova ataca Serena: ‘Devia falar sobre o próprio namorado, que é casado’

Maria Sharapova partiu para o ataque contra Serena Williams, ao...

para lembrar

Pela 1ª vez, jogadores negros serão maioria na final da Eurocopa

A Europa pode até ser a terra de origem do...

Mano Brown responde a Lobão

Lançando o livro Manifesto do Nada na Terra do...

Ser negro en la ciudad de la furia

Nació en Buenos Aires, hijo de uruguayos. Defiende la...

Hollande leva a Merkel plano de novo pacto para tirar UE da crise

  O novo presidente francês, François Hollande, tomou...
spot_imgspot_img

Black Pantera une melodia, ativismo e força em ‘Perpétuo’, quarto álbum do ascendente trio mineiro de rock pesado

Resenha de álbum Título: Perpétuo Artista: Black Pantera Edição: Deck Cotação: ★ ★ ★ ★ ♪ “Afro-latinos!...”, martela Charles da Gama, vocalista e guitarrista da banda Black Pantera, em Provérbios, marcando território já na...

Jay-Z acompanha final da Champions em Londres e prestigia Vini Jr.

O rapper e empresário Jay-Z está em Londres neste sábado (1º/6) para acompanhar a final da Liga dos Campeões da Europa, decida por Real...

Secretaria de Igualdade Racial e DH do Pará lamenta morte da coordenadora Darlah Farias

A Secretaria de Estado de Igualdade Racial e Direitos Humanos (Seirdh) do Pará divulgou, na manhã deste domingo (02/06), uma nota de pesar pelo falecimento da coordenadora...
-+=