Bancada evangélica consegue extinguir comissão alternativa a Feliciano

Sob pressão da bancada evangélica, o comando da Câmara determinou a extinção de uma subcomissão criada por deputados que abandonaram a Comissão de Direitos Humanos da Casa depois que o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) foi escolhido presidente do colegiado.

Parlamentares contrários à permanência de Feliciano, que foi acusado por ativistas de racismo e homofobia, se instalaram na subcomissão de Direitos Humanos e Minorias Culturais, ligada a Comissão de Cultura.

A subcomissão foi questionada pelo deputado João Campos (PSDB-GO). O tucano argumentou que o grupo paralelo fere o regimento da Casa, que não permite vazão de competência. Presidente da Comissão de Cultura, Jandira Feghali (PCdoB-RJ) questionou a decisão de extinguir a subcomissão. O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, disse que não houve irregularidade no ato.

“Não houve nenhuma violação. A Comissão de Cultura criou uma Subcomissão Permanente de Direitos Humanos, conflitando com a Comissão Técnica Permanente de Diretos Humanos”, afirmou. Segundo Alves, a Comissão de Cultura estaria ampliando o alcance de atuação, o que não é permitido.

A subcomissão paralela era presidida pelo deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) que atua em causas em defesa dos direitos homossexuais. Wyllys realizou nesta quinta-feira uma campanha, via rede social, em defesa da subcomissão e recebeu 4.378 tuítes de apoio.

TEMPLOS

Na quarta-feira, a Comissão de Direitos Humanos havia aprovado um projeto que dá a igrejas poder de barrar gays. O texto livra templos religiosos, padres e pastores de serem enquadrados na lei de discriminação se vetarem a presença e participação de pessoas “em desacordo com suas crenças”.

O projeto, que segue para votação na Comissão de Constituição e Justiça, altera uma lei de 1989 que define como crime praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. A pena vai de um a três anos de prisão.

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Nassif: Copa, Brasil ganhou, mídia perdeu, factóides viraram pó

Copa: o Brasil ganhou, a mídia perdeu Cobertura pré-Copa revelou...

Quatro gerações de mulheres negras histerectomizadas

Encontrei na feira, na semana passada, a filha de...

CNDH denuncia trabalho escravo em oficinas de costura em São Paulo

Uma comitiva do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH)...

para lembrar

Câncer de próstata é a 2ª maior causa de morte entre homens

A maior parte dos brasileiros só faz os exames...

Centro de Solidariedade de SP tem 407 vagas em alimentação

Os salários variam de R$ 650 a R$ 1.500....

“Congresso não pode passar por cima do cadáver de milhares de mulheres”, diz Jean Wyllys

Deputado responde às declarações do presidente da Câmara, Eduardo...
spot_imgspot_img

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns recebeu, na tarde da última quarta-feira (05/06), o Prêmio Eny...
-+=