Barreiras ao comércio em África

Um estudo do Banco Mundial indica que o comércio inter-regional no COMESA – Mercado Comum da África Oriental e Austral corresponde apenas a 5% do total da mercadoria importada.

Entre os problemas que estrangulam as economias africanas nada parece tão contraproducente e bizarro como as barreiras comerciais e administrativas que se colocam ao comércio inter-regional. Criadas localmente, algumas vezes inspiradas em questões mesquinhas, e em vigor há mais de 30 anos, estas barreiras têm consequências nefastas.

Um estudo do Banco Mundial indica que o comércio inter-regional no COMESA – Mercado Comum da África Oriental e Austral corresponde apenas a 5% do total da mercadoria importada pelos países deste mercado.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) regista um score relativamente melhor, mas nada que justifique celebrações. Aqui o comércio interestados equivale apenas a 10% do volume de importações. Em contrapartida na zona correspondente à ASEAN, o comércio entre vizinhos representa 20% das importações. Na Nafta estas operações chegam a 35%, na União Europeia vão aos 60% e no Mercosul andam pelos 15%.

De acordo com o Banco Mundial (BM), as barreiras incluem autorizações para importação, taxas às exportações, tarifas aduaneiras, licenças para circulação, proibições impostas a alguns produtos, e falta de coordenação entre instituições responsáveis por fiscalização, regulação e autorização.

Ainda segundo o BM a cadeia sul-africana de supermercados Shoprite gasta semanalmente na Zâmbia 20 mil dólares no pagamento de emolumentos para fazer passar a sua mercadoria. O Shoprite manuseia em média 100 processos para fazer passar cada um dos seus camiões. «Nalguns casos podem ser necessários 1600 documentos», diz o estudo do BM.

Perante estes números ninguém se surpreendeu com o tom que a vice-presidente do BM,

Obiageli Ezekwesili, empregou por altura da apresentação do relatório. «O mercado africano envolve mil milhões de pessoas, e pode gerar comércio no valor de dois biliões de dólares. É importante pois que os líderes africanos respondam às aspirações da população com atos capazes de remover as barreiras, e suficientes para dinamizar o mercado regional».

Fonte: África 21

+ sobre o tema

As 5 mentiras sobre ser voluntário na África

“Você é um herói”, “não teria essa coragem” e...

A Nova Lisboa Africana. Jovens, talentosos e negros

Nina Simone terá pensado neles quando, em 1969, cantou...

Angolano morto a tiro no Brasil, à frente da filha de três anos

Walter Etna Duvall (na foto), angolano residente no Brasil...

Felwine Sarr na luta pela representação de África

Os africanos devem dominar a narrativa sobre si próprios...

para lembrar

Parlamento alemão lembra vítimas do genocídio em Ruanda

Merkel e o ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier,...

O chute de Éder

Quando o número 9 português marcou o gol da...

20 personalidades negras pelas quais somos MUITO gratos este ano

Sejamos francos: 2016 foi um dos piores anos da...

Quadrigêmeos são aceitos juntos em Harvard e Yale e em outras universidades

A família Wade, de Ohio, nos Estados Unidos, recebeu uma...
spot_imgspot_img

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...

Exposição com fotos de imigrantes africanos em SP escancara racismo brasileiro

Terminado o genocídio em Ruanda, as tensões políticas se espalharam pelo continente africano, no prenúncio de mais uma crise humanitária, a Segunda Guerra do Congo....
-+=