Barreiras ao comércio em África

Um estudo do Banco Mundial indica que o comércio inter-regional no COMESA – Mercado Comum da África Oriental e Austral corresponde apenas a 5% do total da mercadoria importada.

Entre os problemas que estrangulam as economias africanas nada parece tão contraproducente e bizarro como as barreiras comerciais e administrativas que se colocam ao comércio inter-regional. Criadas localmente, algumas vezes inspiradas em questões mesquinhas, e em vigor há mais de 30 anos, estas barreiras têm consequências nefastas.

Um estudo do Banco Mundial indica que o comércio inter-regional no COMESA – Mercado Comum da África Oriental e Austral corresponde apenas a 5% do total da mercadoria importada pelos países deste mercado.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) regista um score relativamente melhor, mas nada que justifique celebrações. Aqui o comércio interestados equivale apenas a 10% do volume de importações. Em contrapartida na zona correspondente à ASEAN, o comércio entre vizinhos representa 20% das importações. Na Nafta estas operações chegam a 35%, na União Europeia vão aos 60% e no Mercosul andam pelos 15%.

De acordo com o Banco Mundial (BM), as barreiras incluem autorizações para importação, taxas às exportações, tarifas aduaneiras, licenças para circulação, proibições impostas a alguns produtos, e falta de coordenação entre instituições responsáveis por fiscalização, regulação e autorização.

Ainda segundo o BM a cadeia sul-africana de supermercados Shoprite gasta semanalmente na Zâmbia 20 mil dólares no pagamento de emolumentos para fazer passar a sua mercadoria. O Shoprite manuseia em média 100 processos para fazer passar cada um dos seus camiões. «Nalguns casos podem ser necessários 1600 documentos», diz o estudo do BM.

Perante estes números ninguém se surpreendeu com o tom que a vice-presidente do BM,

Obiageli Ezekwesili, empregou por altura da apresentação do relatório. «O mercado africano envolve mil milhões de pessoas, e pode gerar comércio no valor de dois biliões de dólares. É importante pois que os líderes africanos respondam às aspirações da população com atos capazes de remover as barreiras, e suficientes para dinamizar o mercado regional».

Fonte: África 21

+ sobre o tema

Um débito colossal

Fonte: Folha de São Paulo Ter, 08 de julho...

Beyoncé e Jay-Z são o casal famoso mais rico, segundo a “Forbes”

Os cantores Beyoncé e Jay-Z são pelo segundo ano...

Primeiro disco de Willow Smith chega às lojas em abril de 2012

De acordo com a gravadora Roc Nation, primeiro álbum...

Microsoft vai investir em empresas de negros na África do Sul

Por Gugulakhe Lourie     JOHANESBURGO (Reuters) - A Microsoft South Africa,...

para lembrar

A voz das religiões afro

Segundo programa da série A VOZ DAS RELIGIÕES AFRO...

Release da Exposição

Em homenagem ao centenário do Dia Internacional da Mulher,...

Frente Parlamentar Promoção da Igualdade Étnico-Racial

A deputada Leci Brandão convida todos e todas para...

Taís Araújo viverá a cientista Joana D’Arc Félix nos cinemas

Taís Araújo já sabe qual será o seu próximo...
spot_imgspot_img

Exposição e seminário em São Paulo celebram legado de Nelson Mandela

No dia 18 de julho é celebrado o Dia Internacional Nelson Mandela, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reconhecimento à contribuição...

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...

Ex-seguranças da Chic Show, amigas se emocionam em festival: ‘Chorei muito’

A Chic Show, festa/baile black símbolo da resistência cultural negra paulistana, celebra 50 anos em grande estilo com um festival no Alianz Parque neste...
-+=