Blackface na torcida também é racismo

A caracterização de pessoas negras de forma estereotipada, geralmente com intuito de ridicularizá-las em tom humorístico, é conhecida como “blackface” e já é recorrente há mais de um século no Ocidente

Por Jarid Arraes

No último dia 20 começaram a circular nas redes sociais fotos de torcedores franceses que compareceram a um jogo da Copa vestidos de “baianas”. Os homens em questão usavam roupas de renda branca, turbantes e colares típicos e, apesar de alguns terem até mesmo pintado o rosto com tinta preta, foram amplamente retratados pela mídia como um mero grupo de rapazes bem humorados. Já na última partida entre Alemanha e Gana, torcedores alemães se pintaram com tinta preta e usaram camisetas evidenciando a palavra “GHANA”. Nesse caso, a FIFA declarou que abriria uma investigação e procuraria “evidências de discriminação”.

Não é recente o fato de que pessoas brancas colorem seus rostos de preto, colocam perucas de cabelo crespo artificial, pintam os lábios de vermelho e forçam caricaturas de pessoas negras. A caracterização de pessoas negras de forma estereotipada, geralmente com intuito de ridicularizá-las em tom humorístico, é conhecida como “blackface” e já é recorrente há mais de um século no Ocidente. Esse tipo de “fantasia” é presença garantida em festas de carnaval, programas televisivos e até mesmo em protestos políticos. Em pleno ano de 2014, muitas pessoas ainda acham que a presença da famigerada “nêga maluca” é mandatória para promover o bom humor. Apesar disso, é inegável que o “blackface” marginaliza pessoas negras, não apenas porque as debocha e exotifica, mas também porque exclui a própria autorrepresentação de quem é negro. Não há qualquer dúvida de que é um costume extremamente racista – o que, infelizmente, parece não ser tão óbvio para a FIFA.

A Copa de 2014, segundo a própria FIFA e a fala da presidenta Dilma na televisão, é uma oportunidade para combater o racismo. Apesar disso, muitos grupos do movimento negro brasileiro e ativistas dos Direitos Humanos questionam-se como esse combate acontecerá, se já começou ou se dará algum sinal de vida. Afinal, se o comitê da FIFA precisa buscar evidências de discriminação diante de um ato racista tão explícito como o dos torcedores alemães, a situação está mesmo complicada e o racismo se prova ainda mais naturalizado e imperceptível. Pessoas do mundo inteiro presenciaram tal fato e voltarão para casa ainda mais acostumados com o cotidiano de desvalorização da população negra mundial.

Os franceses que se vestiram como baianas podem até ser homens bem humorados e que só desejavam um pouco de diversão – mas se divertir ridicularizando a cultura negra não passa de racismo explícito. Como se isso não bastasse, pintar o rosto com tinta preta, colocar colares que são considerados sagrados para as religiões de matriz africana e pular na arquibancada é uma atitude de apropriação cultural e falta de respeito com símbolos culturais e religiosos de todo um grupo.

Alguém precisar puxar a FIFA de lado e ensinar o que é racismo e como combatê-lo, uma vez que não se resolve o problema do racismo com investigações pontuais e questionáveis, especialmente se tratando daquilo que já é óbvio. O esforço precisa ser muito maior e medidas educativas precisam entrar em campo. A sede da Copa de 2014 é um país que tem mais de 50% do seu povo autodeclaradamente negro – essa gente não pode simplesmente ficar quieta e aceitar deboche e desrespeito contra sua cor e sua cultura.

Fonte:Revista Forum

+ sobre o tema

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa...

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

para lembrar

Racismo nas abordagens é marca da PM, diz major negro

S. Paulo - Na contramão do comandante...

O ataque racista à filha de Giovanna Ewbank e a busca psicótica por atenção nas redes sociais. Por Jean Wyllys

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO FACEBOOK DE JEAN WYLLYS Por Jean Wyllys, no DCM Reprodução...

Dentista que cometeu injúria racial em padaria na Pituba humilhava funcionários negros há meses

A dentista Heloisa Onaga Kawachiya, flagrada cometendo crime de...
spot_imgspot_img

Grupos antirracistas criticam ‘blackface’ em desfiles de Reis na Espanha

Ativistas espanhóis contra o racismo pediram o fim do uso da pintura "blackface" vista em muitas das tradicionais comemorações do Dia de Reis no...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...
-+=