Bonaventure Ndikung será o curador da Bienal de São Paulo de 2025

Enviado por / FonteO Globo, por Nelson Gobbi

Diretor e curador geral da HKW (Haus der Kulturen der Welt), em Berlim, o camaronês radicado na Alemanha esteve na Flup em 2018

Camaronês radicado em Berlim, Bonaventure Soh Bejeng Ndikung foi anunciado nesta terça-feira (2) como o curador da Bienal de São Paulo de 2025. Diretor e curador geral da HKW (Haus der Kulturen der Welt), na capital alemã, desde o ano passado, Ndikung irá apresentar o projeto curatorial da 36ª Bienal no segundo semestre deste ano, juntamente com sua equipe curatorial. Em 2018, ele esteve no Rio como um dos convidados da sétima edição da Festa Literária das Periferias (Flup), e em 2022 voltou à cidade para a Conferência Internacional de Museus.

Nascido em Yaoundé, Camarões, em 1977, Bonaventure Ndikung mudou-se para Berlim em 1997, onde estudou na Technical University of Berlin (TU), fez doutorado em biotecnologia médica pela Heinrich-Heine-Universität Düsseldorf/TU Berlin e um pós-doutorado em biofísica pela Université de Montpellier, França. Na capital alemanhã fundou, em 2009, o SAVVY Contemporary, espaço de arte, convivência e plataforma discursiva. Entre outros eventos internacionais, assinou a documenta 14, em Kassel, na Alemanha, e em Atenas, na Grécia, em 2017; a Dak’Art, Bienal de Arte Contemporânea Africana, em Senegal (2018); e o Pavilhão Finlandês na Bienal de Veneza de 2019.

A seleção foi feita pela nova presidente da Fundação Bienal de São Paulo, Andrea Pinheiro, e o comitê curatorial composto também pela vice-presidente, Maguy Etlin; o presidente do Conselho de Administração, Eduardo Saron; e os conselheiros José Olympio da Veiga Pereira, Ligia Fonseca Pereira, Marcelo Araujo, Susana Steinbruch e Paula Weiss.

“A Bienal de São Paulo não é apenas uma das bienais mais antigas e importantes do mundo, mas, como uma das poucas bienais de entrada gratuita, ela provou ser uma bienal do povo e para o povo nos últimos 73 anos”, destacou Ndikung no comunicado enviado à imprensa. “A Bienal de São Paulo me parece um sismógrafo que não apenas registra os diferentes tremores que o mundo está experimentando socioeconômica, geopolítica e ambientalmente, mas esses registros também nos oferecem possibilidades de moldar um futuro mais justo e humanitário para todos os seres animados e inanimados deste planeta”.

+ sobre o tema

Nem falso, nem inócuo. Exemplar

Fonte: Estado de São Paulo - por: Roseli Fischmann*- O discurso...

Mia Couto e seu colar de miçangas incomuns

Escritor moçambicano conta que tece novos mundos substituindo eurocentrismo...

para lembrar

Aleksandr Pushkin

Aleksandr Sergéyevich Pushkin (ruso: Александр Сергеевич Пушкин; Moscú, 26...

Simone de Beauvoir e o professor de literatura

A responsabilidade do autor diante da literatura não se...

Miró, um poeta do povo do Recife, por Urariano Mota

A Bienal do Livro de Pernambuco, que corre de...

Passe racista do “Linha de passe”

Chegamos ao cinema cedo. Tivemos tempo para aquele docinho...
spot_imgspot_img

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira (2), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox. A causa...

USP libera mais de 900 livros para baixar de graça; faça o download

A grana está curta para comprar livros? Temo uma excelente notícia! A Universidade de São Paulo (USP) disponibiliza uma biblioteca virtual com mais de 900 livros...

“Perda de aulas por tiroteios na Maré agrava desigualdade”

Desde 2014 à frente da editora Caixote, a jornalista e escritora carioca Isabel Malzoni mergulhou no universo das violências sofridas por crianças e adolescentes que moram no complexo...
-+=