Câmara aprova mudança na Lei de Cotas da educação

Revisão da regra deveria ter acontecido no ano passado; proposta prevê que normas permanecerão em vigor até 2033

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (9) um projeto de lei que atualiza a Lei de Cotas no ensino público federal. A aprovação da proposta abre caminho para que as regras de reserva de vagas permaneçam válidas até 2033.

A lei anterior previa que o sistema de cotas deveria ser revisto em 2022, uma década após a sanção da lei, mas os deputados postergaram a revisão do projeto. Agora, a Casa aprovou de maneira simbólica as mudanças —que seguem para o Senado.

A proposta prevê mudanças em diferentes frentes. Por exemplo, a inclusão de quilombolas dentre os grupos beneficiados pela reserva de vagas.

Além disso, o texto reduz a renda per capita familiar máxima do candidato às cotas (de 1,5 salário mínimo para 1), além de criar políticas voltadas à pós-graduação (para negros, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência) e a necessidade de avaliação do programa a cada dez anos com ciclos anuais de monitoramento.

A lei, existente desde 2012, garante que metade das vagas em institutos e universidades federais seja para alunos que frequentaram a rede pública de ensino. Também prevê outras cotas para estudantes de baixa renda, negros, indígenas e pessoas com deficiência dentro da metade reservada a pessoas oriundas de escolas públicas.

A relatora da proposta, deputada Dandara (PT-MG), afirmou que a política de reserva de vagas foi responsável por sua formação. “Tenho muito orgulho de ter sido cotista na graduação e na pós-graduação. Se não fosse a Lei de Cotas, eu não estaria aqui”, disse.

Ela destaca como um avanço da revisão da lei a previsão de que, se o estudante tirar nota suficiente para ser aprovado pelo sistema geral, ele não precisa entrar por cotas.

“É um avanço a cota não ser mais o teto. Ela é o piso, porque primeiro considera a nota do estudante e, depois, a cota. A USP já fez esse aperfeiçoamento”, diz a deputada.

A aprovação do projeto de lei, de autoria da deputada Maria do Rosário (PT-RS), ocorreu foi acompanhada pela ministra Anielle Franco (Igualdade Racial).

O líder do PSD, Antônio Britto (PSD-BA) classificou o momento como histórico. Já o deputado Hélio Lopes (PL-RJ) se manifestou no plenário contra o projeto.

Deputados avaliam que a Câmara demorou a aprovar a revisão do sistema porque 2022 foi ano eleitoral.

Na semana passada, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), chegou a pedir à Câmara explicações sobre a Lei das Cotas, em resposta a uma ação protocolada pelo PV que questionava o fato de elas ainda não terem sido revistas pelo Congresso.

VEJA QUAIS AS MUDANÇAS NA LEI DE COTAS:

  • No mecanismo de ingresso, primeiro serão observadas as notas pela ampla concorrência e, posteriormente, as reservas de vagas para cotas;
  • Avaliação a cada 10 anos, com ciclos anuais de monitoramento;
  • Atualização da nomenclatura e inclusão de Ministérios responsáveis pelo acompanhamento da política;
  • Estabelecimento de prioridade para os cotistas no recebimento de auxílio estudantil;
  • Redução da renda familiar per capita para 1 salário mínimo na reserva de vagas de 50% das cotas;
  • Ampliação das políticas afirmativas para a pós graduação;
  • Inclusão dos quilombolas nas cotas das instituições federais de ensino;
  • Instituir que as vagas reservadas para subcotas não usadas serão repassadas, primeiramente para outras subcotas e, depois, aos estudantes de escolas públicas;
  • Permitir o uso de outras pesquisas, do IBGE, além do Censo, para o cálculo da proporção de cotistas nas unidades da federação.

Fonte: Deputada Dandara (PT-MG)

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Quilombos paulistas vão virar rota turística

Circuito oferece 65 atrações nos quilombos de André Lopes,...

A escola precisa de liberdade, diversidade e ética

No post anterior explico em que medida toda educação é...

Intelectuais Indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil

Um panorama da institucionalização dos Grupos PET-Indígenas nas universidades...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Quilombo de Mãe Bernadete é reconhecido pelo governo federal

A comunidade Pitanga dos Palmares, da líder quilombola Mãe Bernadete, assassinada em agosto do ano passado na Bahia, foi reconhecida e declarada como Comunidade Remanescente de Quilombo pelo...
-+=