Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Enviado por / FonteBrasil de Fato

Fotos e cartazes pedindo por justiça e por avanço nas investigações marcaram atividade realizada na segunda-feira (11)

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio para trocas de experiências dentre as famílias. A atividade idealizada pelo Movimento Moleque foi realizada pela Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos, representada pela vice-presidente, a vereadora Monica Cunha (Psol), na última segunda-feira (11).

No encontro, mães de vítimas foram ouvidas sobre o racismo estrutural e institucional no Rio. Monica, que perdeu seu filho Rafael em 2006, se emocionou ao abrir o evento. “Independente do lugar que foi ou há quanto tempo foi, a dor é igual para todas nós. Estamos aqui em um ato de memória, unidas para nos fortalecermos, mas também em protesto para dizer que não vamos mais aceitar a morte dos nossos e o Estado precisa se responsabilizar e parar de matar”, afirmou a vereadora. 

A região metropolitana do Rio de Janeiro registrou pelo menos 601 crianças e adolescentes baleados nos últimos sete anos. Desse total, 286 foram atingidos em ações policiais — o que representa 47,5%. Os dados fazem parte de um levantamento do Instituto Fogo Cruzado.

Entre os familiares, estavam os parentes de Thiago Flausino, de 13 anos, assassinado por policiais no dia 7 de agosto, e também de outros mortos em crimes passados, como Sayonara Fátima, avó de Kathlen Romeu, que foi morta ao ser baleada por tiro de fuzil no peito enquanto visitava a avó. 

Fotos e cartazes pedindo por justiça e avanço nas investigações também marcaram o encontro. “Até quando vai continuar? Teve antes do Thiago e já teve depois. Espero que os casos possam andar. A única coisa que a gente que é mãe quer é justiça. Eu me considerava uma pessoa muito feliz e não pedi pra estar nesse lugar. Essa será uma dor eterna”, Priscila, mãe de Thiago. 

Jorge Roberto Penha, pai de uma das cinco vítimas da Chacina de Costa Barros, afirmou que só haverá motivos para comemorar os Direitos Humanos quando uma criança puder andar livremente pelas ruas e favelas da cidade. “Quando todos tiverem direito à vida, a educação e a saúde, poderemos celebrar esse dia”, disse. 

Os coletivos de mães e familiares que participaram da atividade foram: o Mães de Manguinhos (RJ), Mães do Jacarezinho (RJ), Mães da Maré (RJ), Rede de Mães e Familiares da Baixada Fluminense (RJ), Movimento Moleque (RJ), Mães sem Fronteiras, Rede de Mães e Familiares da Maré, a Casa de resistência lésbica da Maré e o Movimento “Cadê o Amarildo?”.

“Meu irmão morreu em 2017, mas agora há pouco tempo, um outro irmão foi assassinado pela polícia. Eles nos pararam em uma blitz e os PMs fizeram uma foto dele e jogaram no grupo do zap. Pouco tempo depois, levaram meu irmão. Horas depois, encontrei seu corpo com um tiro no peito”, afirmou uma familiar que não quis se identificar.

 A deputada estadual Dani Monteiro, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e a advogada Monica Alexandre, presidente da Associação Carioca dos Advogados Trabalhistas (ACAT) estiveram presentes no evento.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

‘Cura gay’ volta para Comissão de Direitos Humanos

O projeto de lei (PL) que prevê o tratamento...

Documentário brasileiro Sem Pena discute a questão das prisões nacionais

Filme foi eleito o melhor pelo júri popular no...

Comissão da Verdade termina com pedido de julgamento de militares e fim da PM

Após mais de dois anos de funcionamento, a Comissão...

“Deveríamos criminalizar a pregação da ditadura”, diz filósofo

Em palestra proferida em São Paulo, o filósofo Renato...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=