Casal gay diz ter sido demitido do trabalho após oficializar união em GO

Jovens contam que sempre foram vítimas de chacotas: ‘Preconceito’.
Empresa nega que demissão esteja ligada à orientação sexual, em Goiânia.

no G1

casal_gay

Um casal homossexual denuncia que foi demitido do trabalho por preconceito após oficializar a união, em Goiânia. Auxiliares de estoque, Geferson Ribeiro de Souza, de 21 anos, e Daniemerson Brito da Silva, de 26, contam que foram desligados da empresa no dia em que voltaram da licença-casamento com a alegação que faltaram dois dias indevidamente, o que, segundo eles, não ocorreu. A empresa nega que a demissão esteja relacionada à orientação sexual dos jovens.

“Atribuo a nossa demissão ao preconceito. Não tinha outro motivo para sermos demitidos”, disse ao G1 Daniemerson.

Os rapazes namoraram por dois anos. No dia 5 de novembro, eles registraram o casamento em cartório e, logo depois, fizeram uma cerimônia para celebrar a união. Eles contam que foram até a empresa em que trabalhavam, a WB Componentes, na segunda-feira seguinte, 7 de novembro, para apresentar a certidão de casamento.

Segundo os jovens, o departamento de Recursos Humanos os informou que, por causa da licença-casamento, deveriam voltar ao trabalho na quinta-feira (10). Ao retornar, eles foram demitidos.

“Retornamos na quinta-feira e fomos comunicados que seríamos desligados porque prejudicamos a empresa ao faltar dois dias. Só que foi o dia que eles determinaram. Colegas nos disseram que ficaria feio para a empresa ter dois caras casados”,  relatou Silva.

De acordo com Geferson, ele já trabalhava no local antes de conhecer o marido. Durante o relacionamento, o jovem diz que pediu ao superior direito uma vaga para o então namorado. Em janeiro deste ano, Daniemerson foi contratado pela empresa.

A WB Componentes nega que a demissão tenha sido motiva pela orientação sexual dos jovens. Por telefone, o advogado da empresa, Tabajara Póvoa, disse ao G1 que o desligamento deles “não teve nada a ver com qualquer tipo de discriminação porque a empresa não tem essa conduta”. Ele disse que, para preservar os jovens, não vai expor os fatores que levaram à demissão.

Além disso, segundo Póvoa, desde a contratação de Daniemerson a empresa sabia que ele tinha um relacionamento com Geferson e isso não impediu o procedimento. “Se isso não foi problema para a contratação, o mesmo não seria motivo para a demissão. O fato de formalizar um papel não faz diferença”, declarou o advogado.

casal_gay

Série de humilhações
Geferson conta que sempre sofreu com chacotas, mas elas aumentaram muito quando o companheiro passou a trabalhar no local. De acordo com o jovem, o casal era alvo de piadas do chefe direto e de pelo menos de mais doze colegas.

“Chamavam a gente de boneca, viado, bichinha. A gente só ouvia isso, ninguém chamava pelo nome. Se iam apresentar um colaborador novo, diziam: ‘Cuidado, ele vai dar em cima de você. É homem que pega homem’”, relata.

O casal conta que se sentia humilhado e constrangido. Inclusive, já tinha pensado em deixar o trabalho por causa do preconceito. Porém, os jovens não pediram demissão porque precisam de dinheiro. “A gente se sentia para baixo, humilhado. A gente saía de casa cedo e chegava em casa estressado”, lembra Geferson.

A defesa da WB Componentes afirma que a empresa “nunca tomou conhecimento” da situação e que “foi tomada de surpresa por essas alegações”.

Advogado do casal, Danilo Belo Honório defende que a companhia sabia da situação. Ele diz que entrará na Justiça com uma ação de reparação pelos danos morais sofridos pelos clientes.

“Esse tipo de discriminação é uma afronta ao principio de dignidade da pessoa humana. Nesse caso, era dever do empregador coibir a prática desses atos discriminatórios no ambiente de trabalho e a empresa utiliza como justificativa da demissão alegando que faltaram dois dias depois da licença-casamento, mas isso não é verdade. Ficou claramente caracterizado o preconceito e a discriminação tanto pelo fato de terem sido demitidos após o casamento tanto por todas as piadas e chacotas suportadas durante o trabalho deles”, conclui Honório.

casal_gay2

leia tambem:

Os 10 estados mais perigosos para ser gay no Brasil

+ sobre o tema

Feminismo, homossexualidade e maconha na máquina do consumismo

É surrado o argumento de que os signos culturais...

Calungas: vítimas de abuso sexual

Até que se prove o contrário, o substantivo “calunga”,...

Inspiradas em Lupita, jovens negras falam de preconceito e da valorização da própria beleza

Mulheres negras abandonaram os produtos químicos para os fios...

Avô de irmãs mortas em Belford Roxo desabafa: ‘Dor constante’

“Nós estamos vivendo numa dor constante”. A frase é...

para lembrar

Luislinda, a Iansã de toga – Por: Fernanda Pompeu

A cena poderia ter saído da cabeça de um...

Sueli Carneiro: Escritos de uma vida – Dia 04 de Dezembro no Sesc Pompéia

Sueli Carneiro: Escritos de uma vida Dia 04 de Dezembro...

Em meio à crise, o protagonismo das mulheres das favelas

O trabalho das artesãs do Projeto Mulheres em Rede...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=