Caso Ágatha: Falhas na obtenção de provas podem atrapalhar as investigações

Kombi onde menina estava foi limpa antes de perícia; veja os pontos

No O Globo

Ato ecumênico em frente ao Palácio Guanabara lembra a menina Ágatha, morta há uma semana Foto: Marcelo Regua / Agência O Globo

Falhas na condução das investigações sobre a morte da menina Ágatha Vitória Sales Félix, há uma semana, podem dificultar o trabalho da Delegacia de Homicídios da Capital (DH) para chegar à autoria dos disparos que atingiram a criança de 8 anos no Complexo do Alemão. Um dos principais erros foi a polícia não ter apreendido, de imediato, a Kombi onde a criança foi baleada. Na madrugada do dia 21, cerca de 24 horas após o crime, o veículo chegou a ser lavado numa ducha da comunidade, na Avenida Itaoca, na subida da comunidade, antes de ser periciado.

Além disso, o carro só foi apresentado à DH um dia depois do crime, quando várias lotadas já tinham sido feitas após o episódio. Também houve a demora na apreensão de fuzis e pistolas dos policiais que estavam no local no dia em que a menina foi morta.

Segundo o advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, que dá assistência à família da vítima e ao motorista da Kombi — que pediu para não ser identificado por se sentir ameaçado —, o delegado de plantão na DH no dia da tragédia não informou quando seria feita a perícia.

— Como a polícia não recomendou nada sobre a Kombi, ela foi limpa. Ela chegou até a rodar — afirmou Mondego.

O GLOBO localizou o dono da Kombi, que confirmou ter lavado o carro, que passou por duas perícias — a primeira no sábado, sem a presença do motorista e do dono do carro, e a outra na segunda-feira, dia 23.

— O carro estava sujo de sangue. Lavei de madrugada, lançando um jato, mas não deu para ver, porque estava escuro, se tinha mais alguma coisa — disse o dono do veículo, que está sem trabalhar. — Estou acumulando dívidas, porque, embora esteja sem o meu ganha-pão, estou muito triste com o que aconteceu com a família da Ágatha. O meu prejuízo foi material, mas o deles é de uma vida — comentou.

Peritos constataram que o estado do fragmento da bala encontrada no corpo da menina inviabiliza o confronto balístico para saber de que arma saiu o disparo. Falta, justamente, o invólucro do projétil, que poderia estar na Kombi, antes de ser limpa.

No fim da tarde de sexta-feira, houve dois atos em memória de Ágatha. Um inter-religioso, na porta do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, e outro organizado por moradores, em frente ao Complexo do Alemão, em Ramos.

Leia Também:

De azul ou de rosa, crianças negras na linha de tiro do Estado genocida

Silêncio de Witzel sobre morte de Ágatha é covardia política

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

Diretora de escola onde PMs agrediram alunos pede afastamento do cargo

A diretora de uma escola estadual de São Paulo...

Caso George Floyd: Protestos antirracistas saem dos EUA e chegam a Berlim, Londres e Toronto

Aos menos três países, além dos Estados Unidos, registraram...

Posicione-se!

Desde o assassinato de George Floyd, temos visto toda...
spot_imgspot_img

Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos...

Justiça realiza audiência de instrução do julgamento dos PMs acusados de matar Kathlen Romeu

A Justiça Fluminense marcou para esta segunda-feira (29) uma audiência de instrução e julgamento dos PMs acusados de atirar contra a jovem Kathlen Romeu. Marcos Felipe...

Pesquisa inédita revela que apenas 8,7% dos homicídios envolvendo policiais foram denunciados pelo MP

Em 8 de junho de 2021, um tiro de fuzil no peito matou a designer de interiores Kathlen Romeu, de 24 anos, no Lins...
-+=