Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Manifestação foi conduzida pela organização Rio de Paz

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos de idade, morto em ação policial no início da madrugada do dia 7 de agosto, na principal rua de acesso à Cidade de Deus, comunidade em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro. Com cartazes, balões brancos e caixões, o grupo caminhou pelo calçadão de Copacabana, na zona sul da cidade, da altura do hotel Copacabana Palace até a Avenida Princesa Isabel.

“É uma forma de chamar atenção do governo, que até agora não esclareceu nada. Se a gente fizesse isso na nossa comunidade, a gente ia estar entre tiro de borracha, tiro de bomba e outros tiros. Hoje, a gente está aqui atrás de justiça”, disse o pai de Thiago, Diogo Flausino.

O grupo, composto também por crianças, carregava cartazes com os dizeres “Thiaguinho, artilheiro da Cidade de Deus”, “Thiago Menezes, eterno camisa 10”, “Não foi operação, foi execução”. Em um dia de sol, quem passava pela praia turística mais famosa da cidade, parava e prestava solidariedade à família.

“Meu filho não vai voltar mais, eles fizeram o que fizeram para matar. Foram mais de cinco tiros. Dói saber que meu filho passou por isso e eu não estava lá, quando fui pegar a mãozinha dele, ele já estava geladinho na hora, e outras pessoas falando as coisas que aconteceram. Eu só quero justiça”, reclama a mãe de Thiago, Priscila Menezes.

O grupo carregou 14 caixões de tamanho infantil, representando as 14 crianças e adolescentes que morreram vítimas de balas perdidas desde o ano passado. Os caixões foram enfileirados na areia. Bandeiras do Brasil com 14 furos foram pintadas de vermelho pelas crianças e posicionadas em cima dos caixões.

“Eu não vou ter mais meu filho, mas eu quero buscar justiça por ele e por outras crianças. Que eles parem de agir assim nas comunidades, parem de achar que toda comunidade, toda favela, só existe bandido, porque lá não é assim, existe morador, existem famílias igual eu tinha meu filho, que tinha um sonho de ser jogador de futebol”, disse Priscila Menezes.

Protesto e enterro simbólico, na Praia de Copacabana, pedem justiça por Thiago Menezes Flausino (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Junto com as bandeiras do Brasil foram posicionadas as chuteiras e a camiseta que Thiago usava para treinar nos três clubes de futebol dos quais fazia parte. Também foram colocados outros pertencentes dele, como as 13 medalhas que ganhou jogando futebol e uma Bíblia.

O ato foi conduzido pela organização não governamental Rio de Paz, a pedido da família e dos moradores da Cidade de Deus. “Historicamente é gente ignorada pelo poder público, que não foi capaz de proteger o bem mais precioso dessa família. A vida de um filho. Essas mortes ocorrem predominantemente em favela. Mais de 90% dos casos. A autoria dos homicídios nunca é elucidada. A justiça não é feita, o estado não ampara essas famílias, portanto, são mortes absurdas, e a face mais hedionda da criminalidade, uma vez que estamos falando de crianças que tiveram a vida interrompida”, disse o presidente da Rio de Paz, Antonio Carlos Costa.

Protesto e enterro simbólico, na Praia de Copacabana, pedem justiça por Thiago (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro informou, em nota, que quatro agentes do Batalhão de Choque “que atuaram na noite em que um adolescente foi ferido na Cidade de Deus, zona oeste, foram afastados do serviço das ruas provisoriamente até o fim das investigações, e cumprem funções administrativas por determinação do comando da unidade. As armas usadas pelos militares foram apreendidas para a perícia e as imagens das câmeras de segurança são analisadas pela Polícia Civil, que investiga o caso”, diz a nota.

A PM informou ainda que, paralelamente ao trabalho da Polícia Civil, o comando da corporação instaurou um procedimento apuratório, por meio de sua Corregedoria Geral, para averiguar todas as circunstâncias do caso, no último dia 7 de agosto. Além do procedimento instaurado pela corporação, a SEPM informa que colabora integralmente com todos os trâmites investigativos da Polícia Civil.

Leia também:

101 crianças mortas a tiros no Rio desde 2007: ‘Sei o que mãe da Eloah está vivendo’

Por que envolvimento de policiais em mortes e megachacinas cresce no RJ

O que dizer para uma mãe que teve seu filho assassinado pela polícia?

+ sobre o tema

Lauryn Hill, YG Marley e Mano Brown tocam em festival em SP; saiba como comprar ingressos

O Chic Show, projeto que celebra a cultura negra e...

Filhos de Bob Marley anunciam primeira turnê coletiva em duas décadas

Bob Marley teve, ao total, 11 filhos, e cinco deles...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da...

para lembrar

Protesto não é crime! Anistia Internacional

A preparação para a Copa do Mundo fez com...

Apreensões sobre o racismo norte-americano

A pequena cidade de Ferguson, no Missouri (centro dos...

Pelo fim da pena de morte aos adolescentes. O caso São Remo

O “mito do adolescente violento” transforma o jovem, negro e...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...
-+=