O legado de Carlos Hasenbalg

Carlos Hasenbalg, nascido em Buenos Aires, em 5 de setembro de 1942, foi um dos grandes nomes das ciências sociais brasileiras contemporâneas, responsável pela consolidação dos estudos sociológicos sobre racismo, desigualdades raciais e política racial no Brasil moderno. Fez isso na esteira dos estudos de relações raciais das décadas de 1940 e 1950, principalmente na trilha aberta por Florestan Fernandes e pela socióloga paulista nos anos 1960.

Por Antonio Sergio Alfredo Guimarães, do UFBA

A originalidade da obra de Hasenbalg não passou despercebida dos que o antecederam. Fernando Henrique Cardoso,1 então o mais renomado dos sociólogos brasileiros, escreveu, na apresentação da primeira edição de Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, em 1979.

Leia o PDF completo:

O legado de Carlos Hasenbalg

 

 

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Decisão do STJ que considera injúria racial imprescritível é correta

Recentemente, no AREsp 686.965/DF, o Superior Tribunal de Justiça...

Ministério Público é formado por elite masculina, branca e rica

Segundo estudo, MP não é uma instituição democrática sob...

Mulher negra com cabelo pintado de loiro é apropriação cultural?

Para entender a apropriação cultural é preciso entender a...

“A solidariedade antirracista é o maior medo da supremacia branca”

Gabriela Shimabuko, militante do movimento asiático, fala sobre como...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=