Causa da violência contra mulheres é motivo fútil, afirma promotora

Promotora Ana Lara Camargo de Castro atua em uma Vara especializada na defesa de mulheres vítimas de violência. (Foto: Marcos Ermínio)

por Renan Nucci

Questões culturais como machismo, patriarcalismo e outros tipos de subjugação do gênero feminino ainda são os fatores mais determinantes nos casos de violência doméstica, afirma Ana Lara Camargo de Castro, da Promotoria de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande. Geralmente, a causa da violência doméstica é um motivo fútil.

Há 17 anos atuando no Ministério Público, e desde 2006 trabalhando exclusivamente com casos que envolvem a Lei Maria da Penha, Castro promove uma reflexão sobre as agressões sofridas pelas mulheres e afirma que somente uma reeducação social seria capaz transformar este cenário sociocultural, que ainda apresenta os homens como seres humanos de qualidade superior e detentores de direito e liberdades não concedidos às mulheres.

A violência doméstica geralmente possui motivação fútil. Alcoolismo, drogadição e questões financeiras são fatores exacerbadores, mas é o machismo revelado no sentimento cotidiano de posse que determina a maioria absoluta de casis do tipo.“Ela estava de saía curta, chegou em casa fora do horário combinado ou não havia feito a comida na hora certa. Estas são principais afirmações dos agressores que vêem as mulheres como objetos de sua propriedade, e ainda tentam culpá-las pelo ocorrido. Tudo isso é fruto do mais puro machismo”, afirma a promotora.

Segundo ela, o Estado deve efetivar esforços para a priorização de políticas públicas de combate à discriminação de gênero, bem como investir recursos para melhoria no aparato protetivo e repressor, mas não adianta a comunidade cobrar as autoridades pedindo exclusivamente a punição aos agressores. O enfretamento à violência é questão de adesão coletiva.

“Muitos profissionais que atuam no poder público também refletem nas suas atuações o pensamento machista arraigado no meio social. E, infelizmente, ainda hoje a realidade em que vivemos repercute essas ideias retrógradas de que, por exemplo, a obrigação da mulher é cuidar do lar e dos filhos, quando, na verdade, o casal deveria fazer isto em conjunto. Há enorme precoceito com as mulheres independentes, donas de próprio corpo e do próprio destino. Isso tem que acabar”, explicou.

Reeducação – Somente uma profunda reeducação poderia mudar este comportamento, inclusive, com a inclusão da temática de gênero nas grades escolares e no treinamento de diversas carreiras públicas, reforça Castro, afirmando que a inferiorizarão da mulher está presente nas mais variadas instâncias, tanto que, na prática, o próprio Estado Brasileiro não leva a questão da violência doméstica tão a sério como deveria, deixando de investir recursos absolutamente necessários, mesmo existindo leis específicas que determinem isso.

“Basta olhar a estrutura dos órgãos competentes de combate à violência contra a mulher, que a gente consegue ver a prioridade dada ao tema. As vítimas também sofrem com a falta de capacitação de alguns servidores da rota crítica institucional. Muitas, quando vão fazer uma denúncia, são tratadas como se fossem culpadas e são revitimizadas nesse percurso. Algumas perguntas mal elaboradas as colocam em situação inversa, e por este motivo muitas delas desanimam ou resistem em procurar apoio, pois, não se sentem acolhidas”, reclamou.

 

Fonte: Campo Grande News

+ sobre o tema

Fé, menina. De homem pra homem.

30 homens estupraram uma menina. 30! e sabe o que mais? eles...

Secretário da Juventude de Temer é acusado de assédio sexual e agressão

O novo secretário nacional de Juventude, Bruno Moreira Santos,...

Violência contra mulher negra é tema de debate

Com o objetivo de debater e propor soluções para...

Janot pede arquivamento de inquérito contra candidato à prefeitura do Rio acusado de agredir a ex-esposa

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta segunda-feira...

para lembrar

Fusão ministerial é “apagão histórico”, afirmam juristas e especialistas

O Instituto Patrícia Galvão ouviu juristas, especialistas, pesquisadores e...

Projeto que dificulta atendimento a vítimas de estupro será votado na terça-feira

Após divergências, o Projeto  de Lei que visa dificultar...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Professores, técnicos e alunos poderão usar o nome social na Uepa

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) passa a...
spot_imgspot_img

‘Meu filho é órfão de mãe viva’: veja relatos de 5 mulheres acusadas de alienação parental após denunciar homens por violência ou abuso

Cristiane foi obrigada a ficar sem contato com a filha e entregá-la ao pai por 90 dias. Isabela* foi ameaçada pelo companheiro. Jéssica* e...

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Quase 23 mil medidas protetivas foram dadas a mulheres vítimas de violência, em 2023; Botão do Pânico foi acionado 91 vezes

Para se protegerem de violências domésticas, as mulheres costumam receber medidas protetivas e, em caso do agressor ser monitorado por tornozeleira eletrônica, utilizarem o...
-+=