Cerca de 40% das mulheres que denunciam violência não voltam à delegacia

Retorno da vítima é necessário para ouvir depoimento e seguir com o inquérito

Por Bruno Wendel e Júlia Vigné, do Correio 24 Horas

(Foto: Marina Silva/CORREIO)

 

Cerca de 40% das mulheres que registam queixas na Delegacia de Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Brotas não retornam ao local. Os dados são da delegada interina da unidade, Aída Burgos. Só nos primeiro 95 dias de 2019, 3.020 denúncias foram registradas nas duas Deams de Salvador. A presença da mulher é necessária para a delegada interrogar a vítima e seguir com o inquérito.

“Muitas são ameaçadas e, por isso, não retornam. Outras porque amam, porque acreditam que aquele homem é o da vida inteira. Já têm mulheres que desistem porque são dependentes financeiramente do agressor, têm medo de serem expulsas de casa ou de o marido deixar a família”, explica.

Outros motivos também foram elencados pela promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH). De acordo com ela, esse percentual já existe há anos  por diversos fatores.

“Desde a questão financeira, das mulheres que não têm dinheiro para o transporte, para procurar testemunha, para fazer exame de corpo delito, retrovirais, se tiver violência sexual envolvida, como a demora, também. Muitas das audiências são marcadas para que ela retorne em quatro, seis meses e o objetivo geralmente é receber a medida protetiva imediata”, destaca.

A medida protetiva, para a promotora, é o mecanismo mais eficaz da Lei Maria da Penha, considerando a demora do sistema de Justiça. É uma primeira forma que a mulher se sente protegida.

“As mulheres não podem sair de seus empregos duas, três, cinco vezes para ir na delegacia. Além de não entenderem o sistema de Justiça. Essas mulheres que moram longe não podem sair de seus trabalhos e não têm dinheiro, só irão retornar à delegacia mesmo em último caso – ou quando não recebe a medida protetiva logo ou quando sofre violência no percurso entre a denúncia e a reunião”, afirma.

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Uma vida inteira pelo fim da violência contra a mulher: A luta de Jacira Melo

Diretora do Instituto Patrícia Galvão defende acesso à informação...

Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

 Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=