Cerca de 40% das mulheres que denunciam violência não voltam à delegacia

Retorno da vítima é necessário para ouvir depoimento e seguir com o inquérito

Por Bruno Wendel e Júlia Vigné, do Correio 24 Horas

(Foto: Marina Silva/CORREIO)

 

Cerca de 40% das mulheres que registam queixas na Delegacia de Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Brotas não retornam ao local. Os dados são da delegada interina da unidade, Aída Burgos. Só nos primeiro 95 dias de 2019, 3.020 denúncias foram registradas nas duas Deams de Salvador. A presença da mulher é necessária para a delegada interrogar a vítima e seguir com o inquérito.

“Muitas são ameaçadas e, por isso, não retornam. Outras porque amam, porque acreditam que aquele homem é o da vida inteira. Já têm mulheres que desistem porque são dependentes financeiramente do agressor, têm medo de serem expulsas de casa ou de o marido deixar a família”, explica.

Outros motivos também foram elencados pela promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH). De acordo com ela, esse percentual já existe há anos  por diversos fatores.

“Desde a questão financeira, das mulheres que não têm dinheiro para o transporte, para procurar testemunha, para fazer exame de corpo delito, retrovirais, se tiver violência sexual envolvida, como a demora, também. Muitas das audiências são marcadas para que ela retorne em quatro, seis meses e o objetivo geralmente é receber a medida protetiva imediata”, destaca.

A medida protetiva, para a promotora, é o mecanismo mais eficaz da Lei Maria da Penha, considerando a demora do sistema de Justiça. É uma primeira forma que a mulher se sente protegida.

“As mulheres não podem sair de seus empregos duas, três, cinco vezes para ir na delegacia. Além de não entenderem o sistema de Justiça. Essas mulheres que moram longe não podem sair de seus trabalhos e não têm dinheiro, só irão retornar à delegacia mesmo em último caso – ou quando não recebe a medida protetiva logo ou quando sofre violência no percurso entre a denúncia e a reunião”, afirma.

+ sobre o tema

Feminismo, homossexualidade e maconha na máquina do consumismo

É surrado o argumento de que os signos culturais...

Dilma quer lançar logo plano de combate à homofobia

Por determinação do Palácio do Planalto, a Secretaria de...

Mãe morre de tristeza após assassinato do filho por policiais no Rio de Janeiro

Joselita de Souza, mãe do menino Roberto, que foi...

para lembrar

Mulheres indígenas contam sua história em livro

Mulheres indígenas de oito etnias da região Nordeste acabam...

‘Parem de nos matar’: a violência sexual contra meninas indígenas

O sono de Ana Beatriz, 5, foi interrompido quando...

Angelina Jolie e outros temas palpitantes da política – Por: Fátima Oliveira

Até agora, maio foi pródigo em temas palpitantes da...
spot_imgspot_img

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...

Aos 80 anos, Zezé Motta celebra uma carreira de grandes feitos e garante: “Eu não paro!”

É com um sorriso solto e uma presença indescritível que Zezé Motta conversa comigo no camarim do estúdio onde fotografamos as imagens e a capa que...

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...
-+=