“Já chego dando calcinha e sutiã”

Folha de São Paulo – 

Foto: Caiua Franco/TV Globo

A atriz Christiane Torloni chama de “marola” a notícia de que teria sido advertida pela Globo por discriminar uma camareira.
Ela teria dito “Que raça, ô raça!” ao mandar a funcionária negra, Fátima, sair do camarim que utilizava. A Globo diz que não advertiu a atriz e que, se algo houve, foi coisa de momento.
FOLHA – Você foi advertida pela Globo por discriminação?
CHRISTIANE TORLONI – Isso é alguém ateando fogo para ver se pega. A Globo não me procurou. Se eu tivesse um histórico de confusão para ser advertida, tudo bem. Mas faço uma série de institucionais para a própria Globo. Estão levantando uma marola que não tem força.

FOLHA – A agressão aconteceu?
CHRISTIANE – Quando me ligaram para falar disso, estava me preparando para gravar e perguntei no estúdio se alguém sabia de alguma coisa. O ambiente lá é muito gostoso.

FOLHA – Você conhece a camareira Fátima, que a teria denunciado?
CHRISTIANE – Nem sabia que tinha camareira com esse nome. É tanta gente lá e minha relação é ótima com todas. Ninguém as defende mais do que eu. Antes de uma novela começar, já chego dando presente para elas, dando calcinha e sutiã para ficar bem com todo mundo. Quando alguém do elenco tira a roupa e joga no chão, eu digo que camareira não é escrava e recolho a peça.

FOLHA – Você procurou a Globo ou a Fátima para falar sobre isso?
CHRISTIANE – A Globo nem está sabendo do que se trata. Essa coisa de advertência é uma palavra escolar, de quando a gente ia para a sala do diretor depois de aprontar. Imagine a gravidade do que um ator teria que fazer para ser advertido!

FOLHA – Um ato de racismo é caso de advertência.
CHRISTIANE – Mas a própria Globo não me procurou para falar que eu estaria advertida. Estou sempre na rua, defendendo minhas causas. Não sou eu quem vai ter uma atitude racista.

Matéria original: “Já chego dando calcinha e sutiã”

+ sobre o tema

Cotas e PEC dos escravos são defendidas durante homenagem aos 124 anos da abolição

Para senadores, libertação ainda "não está completa" A...

Ufes decide processar professor por declarações racistas

Um processo administrativo foi aberto pela Universidade Federal do...

para lembrar

O que Charles Darwin viu no Brasil

Foi na Bahia e no Rio que o naturalista...

‘Sou negro, adotei um menino branco e fui acusado de sequestro’

Histórias de acolhimento e adoção inter-racial são quase sempre...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=