Combate às drogas tem custo bilionário e causa destruição sem mudança real

Sou um homem de 32 anos e moro desde que nasci no Complexo do Alemão. Jornalista, ativista, empreendedor, pesquisador da área de segurança pública e pai de quatro crianças que estão crescendo dentro da favela.

Ao longo dessas três décadas de sobrevivência e reexistência, mergulhei fundo na história e nas experiências de um país tão brutalmente desigual e que silencia e perpetua importantes problemas sociais, como o racismo.

Agora, em meio à pandemia, vemos a explosão caótica do acúmulo de “nãos” em relação à garantia dos direitos mais básicos para uma grande parcela do povo brasileito. Fome, dificuldade de acesso à água potável, desinformação em massa, desemprego e educação defasada são algumas questões que demonstram o quanto estamos atrasados e retrocedendo. Dentre tantas pautas importantes, escolhi falar sobre segurança pública nesta coluna.

O recente relatório “Um Tiro no Pé” , que integra a sequência de pesquisas “Drogas: Quanto Custa Proibir?”, do Cesec (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania), aponta um custo bilionário para aquilo que ouso dizer ser a maior e mais recente queimação de dinheiro público: a falida e violenta “guerra às drogas”.

O valor de R$ 5,2 bilhões foge da realidade da maioria dos brasileiros que sofre com o aumento cada vez maior da desigualdade por conta da pandemia. Apesar da urgência de investimentos no combate à disseminação do vírus e à fome, essa quantia é a soma dos gastos com a repressão ao tráfico e ao consumo de drogas no período de um ano, e isso apenas nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Atuando em movimentos sociais em prol de populações que vivem em favelas e sendo morador de favela, enxergo esse valor com dor e revolta. Conheço o resultado caótico da política de drogas no nosso país. Vi e vivi violências direcionadas e muito terror, consequentes dessa atrasada e caríssima política de repressão.

No mesmo período em que se aplica a análise do relatório, várias crianças perderam a vida, pessoas inocentes foram assassinadas e feridas, houve muita destruição e nenhuma mudança real. Operando para o genocídio da população negra e sem mudanças positivas, o gasto biolionário com estruturas públicas do campo da segurança pública e justiça criminal é inaceitável e um prejuízo inaceitável para a população.

Precisamos deixar para trás esse modus operandi atrasado, desigual e racista. Que tal começar refletindo sobre os gastos ineficazes de uma política de segurança que não deixa sequer a sensação real de segurança na população? Leiam este relatório e vejam por conta própria.

Raull Santiago

Empreendedor social, midiativista integrante do Coletivo Papo Reto e do PerifaConnection

+ sobre o tema

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

para lembrar

“O cidadão que consome drogas é um portador de direitos como todos os outros”

Em entrevista aos Jornalistas Livres, o antropólogo Mauricio Fiore,...

Debate ambiental rompe bolha e chega nas favelas, onde mudanças climáticas serão mais sentidas

“Nada sobre nós sem nós.” Vi essa frase grafitada...

Sem reconhecer racismo, Justiça não garante direitos humanos de mulheres negras

O Estado brasileiro não assumiu ter violado o direito...
spot_imgspot_img

COP28 – Movimento Negro e perspectiva para o futuro climático

Nos dias 6 e 7 de novembro de 2023, seguido de um treinamento in loco em Dubai no dia 4 de dezembro, as organizações...

Mais que no pé: um tiro na cara

O recurso extraordinário 635.659, em análise desde 2015 pelo Supremo Tribunal Federal, versa sobre a inconstitucionalidade da criminalização do porte de drogas. A maioria do STF caminha para...

Lei 10.639 completa 21 anos reafirmando-se como marco na luta da população negra

A Lei 10.639/2003, também conhecida como Lei do Ensino da História e da Cultura Afro-Brasileira e Africana, completa 21 anos em janeiro de 2024. Sancionada...
-+=