Condenados à morte, homens ganham a liberdade após 39 anos de injustiça

Wiley Bridgeman e Ricky Jackson ficaram quase 40 anos presos injustamente (AP / Phil Long)

Dois homens ganham a liberdade após 39 anos presos injustamente. Eles estiveram a um fio de perderem as suas vidas na cadeira elétrica. A testemunha admitiu que foi forçada pela polícia a afirmar que Ricky Jackson e Wiley Bridgeman foram responsáveis por um assassinato ocorrido em 1975

do Pragmatismo Político

Durante a luta dos negros em defesa de seus direitos civis, entre os anos 1960 e 1970, nos Estados Unidos, o FBI, em conjunto com as polícias de cada estado, promoveram uma verdadeira caça à população negra, independente da existência ou não de crime.

Desde a queda das leis de segregação racial, foram aparecendo diversos casos de gente presa que teve seu processo constituído com base em testemunhos falsos, geralmente conduzidos e coagidos pela própria polícia.

É um método tradicional usado pela polícia dos EUA, no Brasil e em quase todos os países. O testemunho ou a confissão feita sob tortura ou ameaça.

Foi o caso de Wiley Bridgeman e Ricky Jackson. Um garoto, com 13 anos em 1975, testemunhou contra os dois, então jovens, afirmando que eles haviam matado um empresário branco Harry Franks em 19 de maio de 1975, em Cleveland, junto com o também preso irmão de Bridgeman.

Os três estiveram por um fio para perderem suas vidas na cadeira elétrica. Foram sentenciados, naquela época, à pena de morte. Contudo, a lei capital de Ohio foi declarada inconstitucional pela Suprema Corte dos EUA em 1978.

As penas, em virtude da inconstitucionalidade da lei, foram convertidas em prisão perpétua. E só em 2011 foi levantada uma suspeita sobre a prisão dos rapazes, através de uma reportagem publicada na revista Scene em 2011.

Essa reportagem questionava, principalmente, o depoimento de Eddie Vernon. Vernon, que agora tem 52 anos, descreveu recentemente, em audiência, as ameaças da polícia para que ele testemunhasse contra os três. Foi esse depoimento que libertou Wiley e Rick. O Irmão de Wiley já havia sido solto em 2003, tendo em vista a fraude do processo com relação ao seu caso.

Emoção

“A língua inglesa nem serve para descrever o que estou sentindo”, disse Jackson à imprensa. “Estou eufórico. Você se senta na prisão por tanto tempo e pensa nesse dia, mas quando ele realmente chega você não sabe o que vai fazer, você apenas quer fazer alguma coisa”.

Wiley Bridgeman afirmou nunca ter perdido a esperança de que seria libertado um dia. “Você continua lutando, continua tentando”, disse, emocionado

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

Aos Obamistas sonhadores e pretendentes à Obama

Perfil dos eleitores nas eleições americanas Reginaldo Bispo - MNU As...

Obama estende tapete vermelho a Dilma

Presidente dos Estados Unidos reenviou convite à presidente Dilma...

Jamie Foxx salva homem de carro em chamas

Gente como a gente. Assim provou ser Jamie Foxx, de...

Califórnia autoriza casamento gay a partir da semana que vem

Um juiz federal americano decidiu nesta quinta-feira que casamentos...
spot_imgspot_img

‘Fui um menino negro criado por avós supremacistas brancos que me ensinaram a saudação nazista’

Shane McCrae é um consagrado poeta norte-americano. Ele foi premiado diversas vezes, publicou uma dezena de livros e é professor de redação criativa da...

Como um discurso de Harry Belafonte, morto aos 96, mudou minha vida

No verão de 2013, participei de um dia de palestras na Fundação Ford, em Manhattan. Intitulado "O Caminho pela Frente para os Direitos Civis:...

Minneapolis aprova projeto de reforma policial três anos após morte de George Floyd

A cidade americana de Minneapolis anunciou, nesta sexta-feira (31), que aprovou um projeto de reforma policial, quase três anos depois que George Floyd morreu asfixiado pela pressão...
-+=