Considerações sobre o que chamam de ‘ideologia de gênero’

Terry Eagleton é um crítico literário inglês. Bem-humorado e irônico, tem, entre suas criações, a frase “ideologia é como mau hálito, só o outro tem”.

Por Debora Diniz, do  HuffPost Brasil

Passear pelas conversas sobre gênero, sexualidade, escola sem partido, religião nas escolas é enfrentar acusações de ideologia.

Ideologia virou sinônimo de ilusão, fantasia, mentira, ou ainda má-fé.Nessa onda de novos missionários nas redes sociais, a combinação “ideologia de gênero” parece ser tese sem necessidade de argumento – é sempre algo pernicioso para as crianças, algo que viola a liberdade das famílias ou a integridade das igrejas.

Como acredito que a conversa racional é mais poderosa para mover montanhas que a repetição de testamentos antigos, começo reproduzindo os argumentos dos que gritam “ideologia de gênero” para, depois, mostrar a tolice ou a ingenuidade dos que a proferem.

Ao assim arrumarem os espaços onde gênero poderia circular como uma verdade e não como uma ideologia, os ofendidos reconhecem a existência do gênero como uma forma de vivência dos corpos ou das sexualidades; a divergência é sobre o seu conteúdo e seu espaço de conversa – a casa, e não a escola.

Há, portanto, gênero; a saga é garantir que só uma interpretação circule no mundo. Acreditam em uma única forma de se viver o gênero – o binarismo macho e fêmea ou a reprodução biológica pela vagina no pênis – ou seja, seriam eles mesmos ideólogos do gênero, mas a partir de um único conteúdo: o de que haveria uma natureza dos corpos, e essa natureza seria sempre heterossexual.

Há outras expressões de ofendidos que também gritam ideologia de gênero – são os que gaguejam para pronunciar “gênero”: para anunciar a palavra maldita precisam de virulência, pois dói nas entranhas pronunciar o pecado. Em geral, só pronunciam a palavra gênero em combinação com outros vocábulos, vinculações que o dicionário ainda não reconhece: gênero vem sempre acompanhado de orifícios, fantasias, chicotes, nazismo, fascismo, gemidos (mimimi é o preferido), inferno, perucas, vacas ou sex shop.

A ordem não é bem esta, mas haveria um empório celestial de conhecimentos benévolos para a humanidade sobreviver ao gênero. Para esses sujeitos benévolos, não há nada de história ou cultura, pois desde sempre as mulheres foram Eva, e, os homens, caçadores.

Mas como nem todas as pessoas têm mau hálito – só algumas, para felicidade da saúde pública – nem tudo o que é pronunciado merece o título de ideologia. Para a conversa sobre gênero é fácil solucionar a controvérsia – se ideologia é uma forma de pensamento que oprime, distorce e falseia a realidade, a pergunta seguinte é: o que seria realidade?

Não há resposta que agrade a todos nós, mas tentarei uma que aproximará a parada gay da marcha para Jesus: a vivência. O real é aquilo que se vive e, no campo do gênero, são os corpos e as sexualidades.

As mulheres não precisam mais usar lençol com abertura para o pênis mover-se em uma relação sexual – as que preferirem podem usar holofotes em um motel. As mulheres podem dividir as tarefas domésticas com o marido e os filhos homens – está provado, só não sei se foi já assunto para o Prêmio Ignóbil da Ciência, que nem o detergente faz mal à saúde, nem a pia provoca disfunção erétil.

Não há livro sagrado que diga como devem viver os homens e as mulheres na intimidade de suas escolhas, e por isso gênero fala de todo mundo. Não é ideologia de gênero, mas vidas vividas no gênero.

PS: Para encerrar essa conversa sobre ideologia de gênero, peço socorro da expressão latina ridendo castigat mores. O riso liberta. Melhore os sentidos para se perceber antes de anunciar o mau hálito nos outros. Acredite: ideologia não é como o bafento que só sente o mau hálito dos outros – talvez, só você sofra dessa maldição, mas tranquilize-se: há remédio. Um deles é deixar o mundo mais cheiroso, florido e colorido. E a escola é um lugar formidável para descobrir outros cheiros.

+ sobre o tema

‘Mudei minha cor no RG’: mulheres contam como se reconheceram negras

Alice Melo tinha 32 anos quando decidiu atualizar seu...

Maioria Oprimida – Por: Louise Walmsley

Querida sociedade, O mundo me lembra todos os dias que...

para lembrar

Um debate sobre o Homem Negro Periférico

Essa reflexão é escrita para todos e ninguém. Ninguém...

Rachel Maia assume o cargo de CEO da Lacoste Brasil

Em seu último cargo à frente da Pandora Brasil,...

Falabella: as mulheres negras já inauguraram um tempo novo!

O tempo nos ensina que mesmo quando certas coisas são...

Como continua se sentindo uma mulher, por claudia regina

A fotógrafa claudia regina compartilha o relato de uma agressão. “recentemente...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=