Coronavírus: Letalidade entre negros é maior

Na sexta-feira (10), o Ministério da Saúde revelou novos dados sobre o coronavírus. Embora vitime mais brancos, o vírus é mais letal entre pretos e pardos. Os dados apontam que 1 em cada 4 hospitalizados por covid-19 – equivalentes a 23,1% dos hospitalizados com Síndrome Respiratória Aguda Grave são pretos e pardos, mas eles chegam a representar 32,8% das vítimas de Covid-19. Já com os brancos, a situação é oposta e o número de mortos é menor que o de hospitalizados. Eles representam 73,9% dos hospitalizados e 64,5% das vítimas.

Na Revista Raça

Foto: Scott Olson/Getty Images

Para chegar a esses índices, foram investigadas 849 mortes das 1056 contabilizadas. De acordo com os dados, 64,5% das vítimas do novo vírus no país se declarou como branca, 32,8% como parda ou preta, 2,5% como amarela e 0,2% como indígena.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 67% dos brasileiros que dependem exclusivamente do SUS (Sistema Único de Saúde) são negros, e estes também são maioria dos pacientes com diabetes, tuberculose, hipertensão e doenças renais crônicas no país —todos considerados agravantes para o desenvolvimento de quadros mais gravosos da covid-19.

A diferença de quase dez pontos percentuais entre negros hospitalizados e negros mortos pela covid-19 chama atenção das autoridades médicas.

“Se as chances de morte pela doença não dependem de raça ou cor, tem algo errado, uma outra influência neste resultado, seja o tipo de tratamento oferecido, seja alguma outra comorbidade que as pessoas negras tenham”, aponta Denize Ornelas, diretora da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.

Desde a primeira morte no Brasil, a maioria das vítimas da Covid-19 no Brasil é composta por homens: 58,2%. Além disso, é possível observar que as mortes, em sua maioria, ocorrem com pessoas com mais de 60 anos.

No entanto, o Brasil também já registrou óbitos de pessoas mais jovens e até crianças. Há um na faixa etária de 0 a 5 anos, três de 6 a 19 anos e nove de 20 a 29 anos.

A obesidade e a asma são as comorbidades mais presente no grupo das vítimas abaixo dos 60 anos. Já a diabetes, a cardiopatia e a pnemoupatia são as doenças crônicas que mais acometem os idosos, vítimas da Covid-19.

 

Leia também

Por que a Covid-19 é tão letal entre os negros?

+ sobre o tema

Rádios comunitárias poderão ter financiamento pelo BNDES

  As entidades prestadoras de serviços de radiodifusão...

Casa de Marias lança campanha para atuação em saúde mental

A segunda edição da campanha "Saúde Mental Para Mulheres...

Crianças negras são principais vítimas do trabalho infantil

Meninos negros são as principais vítimas do trabalho infantil:...

Extermínio e tortura tiveram aval dos presidentes militares

Ao iG, Paulo Sérgio Pinheiro, coordenador da Comissão Nacional...

para lembrar

Rearticular e ampliar os Pontos de Cultura será uma prioridade do MinC, garante Ivana Bentes

Em entrevista exclusiva, a nova secretária de Cidadania e...

O mês da consciência negra e a representatividade na TV

Silêncio dos canais comerciais sobre tema ao longo de...

Declarações de Feliciano incitam o ódio e a intolerância, diz Ministra dos Direitos Humanos

  A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência...

Em feito histórico, Geledés demanda na ONU reparação aos afrodescendentes   

“Nesta quinta-feira, Geledés realizou um feito histórico ao ser...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=