Cotidiano das favelas se tornou um circo de horrores

O que dizer do que estamos vivendo neste momento da história do Rio de Janeiro? Cotidiano das favelas se tornou um circo de horrores. A completa ausência, se não de fato, fica para nós cidadãos e cidadãs comuns, pelo menos, a sensação de completo abandono institucional.

Por Mônica Francisco, do Jornal do Brasil 

Após o tsunami de obras, remoções e mudanças na malha viária que serviram mais para confundir do que para auxiliar a vida dos usuários e usuárias que circulam diariamente pela cidade, chegamos ao outro extremo; desencontros, ausências, esquizofrenias e declarações estapafúrdias.

Cadáveres se acumulando nas áreas pobres da cidade, vítimas da guerra aos pobres, que tem como nome eufemístico “guerra às drogas”. Crianças sofrendo danos emocionais irreparáveis, e as soluções anunciadas beiram o ridículo, mas são a mais triste realidade.

Neste circo de horrores que se tornou o cotidiano nas favelas, a população cria suas redes de solidariedade, de auto-cuidado e busca a todo custo se manter viva. Para além disso, os danos aos que sobrevivem acumulam-se. Ainda esta semana, um amigo anunciava sobre um amigo e vizinho dele, que foi surpreendido por uma bala e agora já tem certa a perda da visão de um dos olhos.

Perdemos todos. Não há vencedores ou vencidos. Uma tragédia como essa é a certeza de que chegamos à uma situação da qual certamente ninguém sairá ileso.

* Colunista, Consultora na Ong Asplande e Membro da Rede de Instituições do Borel

+ sobre o tema

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

A legitimidade que vem da rua, por Felipe Freitas

Na democracia a legitimidade do poder é o resultado...

Total de policiais militares expulsos da corporação cresce 76% em dois anos em SP

  Ato desonroso, atentado às instituições nacionais ou até mesmo...

para lembrar

Djamila Ribeiro enfrenta Moro em debate em Londres: “Juiz não deveria ter partido”

Em evento na London School of Economics, no Reino Unido,...

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Beto Richa abre vantagem de 12 pontos sobre Osmar Dias no PR, diz Datafolha

O prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), candidato...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=