Da África para o Brasil

Por:Raymondh Junior

 

Foi pela década de 50 que a temática afro-brasileira tomou corpo no carnaval carioca. Uma agremiação que merece o título de pioneira da linhagem afro-brasileira é o Salgueiro. Logo no seu primeiro desfile, em 1954, a escola desceu com “Romaria à Bahia”. Com esse carnaval, o Salgueiro não apenas ratifica a Bahia como o território mítico da origem do samba carioca (mito que é, parcialmente, verdadeiro) como também introduzia no samba de rendo um saboroso vocabulário de origem africano: pela primeira vez a avenida ouvia palavras como cateretê, acarajé e candomblé. E vale lembrar que Senhor do Bonfim é menos Jesus Cristo que Oxalá.

No ano seguinte, o Salgueiro veio com “Epopeia do Samba”. Não a encher os olhos, mas tem o mérito de mencionar, também pioneiramente, que o samba, antes de ser aceito e de se transformar no gênero identificador da cidade, foi criminalizado e perseguido pelas autoridades. Ou seja, falava indiretamente do racismo, das tentativas de branqueamento ideológico promovidas pelo Estado e por membros das elites econômica e intelectual desde a Abolição. Para fechar essa primeira tríade precursora vem o 1957, “Navio Negreiro”.

Mas essa busca das raízes africanas do samba não aconteceu somente no Salgueiro. Em 1958, por exemplo, a Mocidade Independente, então no segundo grupo, desceu com “Apoteose ao Samba”. O tema não tem o tom épico que caracterizou, por exemplo, “Navio Negreiro”; mas não deixa de ser interessante. Outro enredo que também pode ser tido como precursor do tema foi a Aprendizes da Boca do Mato em 1959, com “Machado de Assis”.

O ano de 1959 foi ainda muito importante por outro motivo: o professor de artes plásticas Fernando Pamplona participou como julgador dos desfile e se impressionou com o carnaval do Salgueiro, que nesse ano falava de Debret. Não era um enredo afro- brasileiro; mas Pamplona percebeu que havia ali um imenso potencial de exploração plástica ao ver as pessoas do morro representando os quadros em que Debret retratou a escravidão no Brasil. No ano seguinte, Pamplona já era o carnavalesco do Salgueiro. Sobre a temática afro-brasileira o Academia do samba pode se orgulhar ainda de ter apresentado ao mundo do samba enredos como os memoráveis, “Quilombo do Palmares” em 1960, “Chica da Silva” em 1963 e “Chico Rei” no ano seguinte.

Ficava assim, estabelecida uma linha temática que permitiria ao sambista expandir sua criatividade e tornar os enredos mais verdadeiros e com a cara do brasileiro.

Evidentemente a ideia de retratar a história do negro no Brasil não se restringiu ao Salgueiro. A Unidos da Tijuca veio com “Casa-Grande Senzala” em 1961, um verdadeiro show na avenida. O carnaval deste país pôde ainda registrar o gigantismo da Estação Primeira de Mangueira em 1964 com “História de um Preto-Velho”, e Unidos de Lucas em 1968 com “História do Negro no Brasil”.

Alem dos temas históricos, a presença afro-brasileira entrava no muno do samba através dos legados culturais africanos. Mas não tão rapidamente, como poderia parecer. De 1954, quando o Salgueiro trouxe a palavra “candomblé”, foram necessários 12 anos para que a São Clemente, em 1966, no desfile do segundo grupo, mencionasse pela primeira vez um orixá em seu samba de enredo.

Axé!

 

 

Fonte:  SRZD

+ sobre o tema

“Feminismo negro não exclui, amplia”: Djamila Ribeiro debate ativismos a convite da França

Em entrevista exclusiva à RFI, em Paris, Djamila Ribeiro recupera momentos...

África e Europa: Naufrágio da dignidade humana

O Continente Africano foi por muitos séculos, e ainda...

para lembrar

ONU quer impedir volta de gangues no Haiti

Tropa brasileira promove Operação Abafa, primeira ação de segurança...

Cajazeiras recebe primeiro Festival Literário Nacional

Lázaro Ramos, MV Bill, Larissa Luz e Ryane Leão...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=