Denúncia de racismo feita pelo professor Valdecido Pereira da Silva terá audiência preliminar nesta sexta-feira

Acontece nesta sexta-feira (10), às 14h00, no Fórum de Londrina, a audiência preliminar sobre a denúncia de racismo feita pelo professor Valdecido Pereira da Silva. A informação foi repassada pela gestora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Maria de Fátima Beraldo.

Para esta audiência, a gestora está convidando os representantes dos movimentos que combatem o racismo e o preconceito para que estejam presentes em frente ao local da audiência. “As vítimas de racismo e preconceito se fragilizam perante os atos. Precisamos de mobilização para darforça e segurança a elas”, explicou.

Já o professor Valdecido disse que o apoio da Gestão Municipal está sendo importante para o direcionamento do caso. “Estou seguro e com forças para lutar”, relatou.

Ocaso

No dia 28 de dezembro de 2011 o professor da discplina de História do Centro de Educação Básica para Jovens e Adultos (CEEBJA) e mestrando pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Valdecido Pereira da Silva, foi acusado pelo policial civil, Paulo Valério Kwiatkowski, de tentar roubar sua senha bancária.

O professor afirmou que o policial o agrediu verbalmente com palavras que remetem ao crime de racismo. No momento da discussão, Valdecido agrediu fisicamente o policial e foi levado preso até o 1º Distrito Policial, onde foi registrado um Termo Circunstanciado de Infração Penal.

Amigos da vítima contataram o órgão municipal para denunciar o caso. Depois de ouvir o relato do professor, houve o encaminhamento de documento à Procuradoria Jurídica Municipal, para o Ministério Público, para a Defensoria Pública da União, para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Centro de Direitos Humanos (CDH), que estão prestando assessoria jurídica à vítima.

O Ministério Público determinou à Corregedoria da Polícia Civil a instauração de inquérito policial, além da audiência que acontece nesta sexta-feira. O caso está sendo acompanhado também pela secretaria municipal de Assistência Social, no atendimento psicológico ao professor.

O Fórum Intergovernamental de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Fipir) decidiu enviar um ouvidor à audiência para acompanhar o caso.

 

 

Fonte: Diário de Londrina

+ sobre o tema

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais...

Reflexões de uma mãe preta sobre os dias das mães

Há 02 dias, Hakim, meu primeiro filho, completou 07...

Quem é Marco, o estagiário demitido pelo presidente do STJ

Alvo de momento de fúria do presidente do...

Itabira de Drummond é a mesma do santeiro Alfredo Duval e dos quilombolas

No final de semana passado estive na região sudeste...

para lembrar

Skinheads negam crimes e assumem ligação com movimento nacionalista

  Os três presos respondem por racismo e formação de...

Jair Bolsonaro agride militantes do movimento negro: “Voltem para o zoológico”

Jair Bolsonaro esbraveja contra manifestantes que protestavam contra a...

Em novo ataque, John Galliano é filmado dizendo “amo Hitler”

  O estilista britânico, John Galliano, suspenso na semana passada...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=