Depoimento: Fechar as portas é obsceno e mostra histeria do urbanóide acuado

Por: BARBARA GANCIA
COLUNISTA DA FOLHA

O deprimente espetáculo que testemunhei na tarde de sá­bado na entrada do shop­ping JK Iguatemi, na Vila Olímpia, em São Paulo, despertou minha imaginação.

E se a “invasão” fosse in­versa? Enquanto os tambores da Uneafro (União de Núcleos de Educação Popular para Negros) imploravam atenção em frente ao shopping, eu montava um cenário mental.

Nele, vans chegariam de surpresa a Paraisópolis com playboys e patricinhas dos Jardins, de camisetas com o dizer “#partiurolezi­nho” e pulseirinhas VIP do evento. Seria tão despropositado quanto a existência da camiseta “100% branco”, não?

Cheguei ao shopping JK às 12h e notei a vitrine da Bulgari careca. Logo depois, três gatos (pardos) pingados do protesto contra shoppings “antirrolezistas” deram as caras e o shopping fechou as portas.

O shopping JK não se mostrou preocupado em perder as vendas ou com a propaganda negativa pelo gesto. Não permaneceu um só interlocutor para conversar com os manifestantes. Sobraram só seguranças e porta cerradas.

“O shopping não terá a imagem prejudicada”, diz um dos manifestantes. “Ao contrário, a clientela aprova a demonstração de força”. Será?

Maria das Dores, moradora da ex-favela Funchal, vizinha ao shopping, que estava passando por ali, puxa conversa: “Se a garotada fosse bem-educada poderia entrar no shopping, mas não é”.

Como? Será apenas questão de educação? Não são cor e classe social que destoam? Ela garante que não. “Veja o Obama, educou-se e chegou lá”. Entendeu, Martin Luther King? Sacou, Malcolm X?

A obscenidade das portas cerradas em pleno sábado é expressão da histeria que domina a psique do urbanóide acuado. A engenheira Lucia Santos dá sua receita para o tema: “Deveriam começar a controlar a partir da internet”.

Lembro a ela que existem casos de estudantes brancos, de “bixos” (pessoal da FEA no Eldorado, está no YouTube) que fazem fuzarca, mas que ninguém chama polícia ou entra em pânico com isso.

“Mas estes de agora são orquestrados”, ela adverte. Pergunto por quem. “Pessoal no meu trabalho diz que é pela Dilma, o Lula”. E se não for? Ela reconsidera: “Bem, nesse caso… Quando é branco ninguém faz nada… Então eu acho que todos devem ter o direito de se manifestar”.

 

Quantos dias o Iguatemi aguentaria fechado? – Por Saul Leblon

 

“Negrada” e “baianada”: criminalização de “rolezinhos” gera explosão de racismo na internet

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

“Cara de empregada. Não era pra tá ai” : Negra, Miss Brasil sofre ofensas

Negra, de cabelos cacheadas e piauiense, a nova Missa Brasil...

Crispim Terral denuncia caso de racismo em banco de Salvador

Crispim Terral denunciou nas redes sociais, nesta segunda-feira, 25,...

A certeza da impunidade: Danilo Gentili oferece ‘bananas’ a internauta negro pelo Twitter

Por: Juliana Gonçalves   O redator Thiago Ribeiro, 29 anos, estava...

para lembrar

Racismo, feminismo, linguagem, diálogo

Uma confusão enorme e nada ingênua nem desinteressada têm...

Intelectuais Negras – Por: Bell Hooks

Muitas vezes eu estava num terrivel deserto sofrendo estranhas coisas...

“Me culpam por ser negra, mulher e estrangeira”, declara ministra italiana.

A ministra italiana, vítima de constantes ataques racistas, confessa...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=