Descendentes de escravos africanos do Brasil regressam às origens 500 anos depois

 

Bissau –  Um grupo de quilombolas do Maranhão, Brasil, descendentes de escravos africanos, chegam hoje à Guiné-Bissau para conhecerem e sentirem de perto as suas origens culturais e sociais.
A visita está inserida no festival “O percurso dos Quilombos: de África para o Brasil e o regresso às origens”, organizado pelo Instituto Marquês de Valle Flor em conjunto com três parceiros internacionais do Brasil, Cabo Verde e Guiné-Bissau.
O festival começa hoje (quinta-feira) e decorre até dia 25 e os quilombolas vão poder participar numa série de iniciativas culturais na cidade guineense de Cacheu, de onde saíram a maior parte dos africanos que foram servir de mão-de-obra escrava no Brasil.
“Esta acção visa apoiar a capacitação das Associações Culturais Quilombolas, promover o legado cultural Quilombola e sensibilizar para a contribuição da cultura Quilombola para a diversidade cultural mundial”, refere o Instituto Marquês de Valle Flor, em comunicado enviado à imprensa.

Os quilombolas são descendentes dos escravos africanos no Brasil, e, segundo o Instituto Marquês de Valle Flor, estão entre as comunidades mais vulneráveis e marginalizadas da sociedade brasileira.

Os quilombolas são descendentes dos residentes dos Quilombos, locais onde os escravos estabeleciam as suas zonas libertadas e se defendiam de quem os perseguia quando fugiam das senzalas.

A escravatura foi abolida em 1850 e 500 anos depois os descendentes dos escravos regressam à sua terra de origem para testemunharem as suas raízes culturais.

“O contacto com as origens irá unir o passado e o presente desta cultura, contribuindo para um futuro mais digno, para a defesa dos Direitos Humanos e promoção e afirmação da identidade Quilombola a nível Internacional”, afirmou Ahmed Zaky, diretor do Instituto Marquês de Valle Flôr.

Fonte: Angop

+ sobre o tema

O livro ‘Domingos Sodré, um sacerdote africano’

Enviado por implacavel Do blog Ouro de Tolo História e Outros...

Descolonizando o Conhecimento: uma palestra-performance de Grada Kilomba

06/03, das 16h às 18h|Local: CCSP – Centro Cultural...

Corte no orçamento da Cultura pode fechar Museu Afro Brasil

Instalação no Parque Ibirapuera, em São Paulo, recebe 180...

Sobre Necropoética e Cinema Negro com Sotaque Mineiro

A conciliação entre negro-tema e negro-vida num cinema de...

para lembrar

Nelson Mandela foi preso há meio século

A África do Sul assinala amanhã o 50º aniversário...

‘O Caso do Homem Errado’: Demorou 34 anos para mulheres negras voltarem aos cinemas no Brasil

Um homem negro confundido com bandido e morto pela Polícia...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=