Desemprego cai a 4,9% e atinge mínima histórica em setembro

Em agosto, a taxa havia ficado em 5% e, no mês passado, atingiu o menor patamar para setembro desde o início da série histórica, em março de 2002

A Taxa de desemprego do Brasil caiu a 4,9% em setembro, menor nível para esses meses, enquanto a renda média da população subiu pelo segundo mês seguido, em meio a um cenário de economia fraca a pouco dias do segundo turno das eleições presidenciais.

Em agosto, a taxa havia ficado em 5% e, no mês passado, atingiu o menor patamar para setembro desde o início da série histórica, em março de 2002, segundo dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado – que abrange seis regiões metropolitanas no País – ficou abaixo da pesquisa da Reuters, cuja mediana apontou expectativa de taxa de desemprego a 5,1% em setembro.

“A redução da taxa está associada à queda na procura, ou seja, a taxa cai porque há menos pressão sobre o mercado de trabalho”, disse a técnica do IBGE Adriana Berengui.

Uma das explicações para esse cenário é que as pessoas têm passado mais tempo estudando, retardando a sua entrada no mercado.

A população ocupada, segundo o IBGE, recuou 0,2% em setembro na comparação com agosto, para 23,103 milhões de pessoas, com queda de 0,4% sobre um ano antes.

Já a população desocupada chegou a 1,183 milhão de pessoas, perda de 3,1% ante agosto e queda de 10,9% sobre um ano antes. Os desocupados são as pessoas desempregadas em busca de uma chance no mercado de trabalho.

O IBGE informou ainda que o rendimento médio real da população subiu 0,1% no mês passado sobre agosto, segunda alta seguida, chegando a R$ 2.067,10. Sobre setembro de 2013, o rendimento avançou 1,5%.

O mercado de trabalho tem sido uma das principais armas da presidente Dilma Rousseff (PT) na sua acirrada corrida pela reeleição contra Aécio Neves (PSDB), que termina neste domingo com o segundo turno das eleições.

Entretanto, com a atividade debilitada – a economia entrou em recessão no primeiro semestre -, o mercado de trabalho dá sinais de perda de vitalidade. A criação de vagas formais de trabalho em setembro foi a pior para o mês em 13 anos, segundo dados do Ministério do Trabalho.

O IBGE trabalha para substituir a PME pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, mais abrangente.

Fonte:  Terra 

+ sobre o tema

Bordadeiras querem acabar com a figura do “atravessador”

Elas foram descobertas pelo estilista mineiro Ronaldo Fraga Por Thaís...

5 trabalhos tradicionalmente masculinos nos quais as mulheres foram pioneiras

Hoje as mulheres representam quase a metade da força...

SMPIR lança portal sobre emprego e população negra em São Paulo

SERVIÇO: Lançamento do portal São Paulo Diverso Dia 16 de setembro...

Curso gratuito Manicure e Pedicure Profissional

Ligue e faça sua inscrição Estão abertas inscrições para...

para lembrar

Dobra o número de pessoas com faculdade sem emprego ou em trabalho precário

Dois de cada dez trabalhadores com ensino superior estão...

Mulheres trabalham menos tempo em casa

Com mercado de trabalho feminino aquecido e renda em...

Brasil envelhece sem estabelecer parâmetros para combater desigualdade

Li semana passada, aqui na Folha, a divulgação dos...

Desemprego bate recorde em 20 estados brasileiros em 2020, diz IBGE

Os impactos negativos da pandemia do coronavírus sobre o...
spot_imgspot_img

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...

Famílias famintas e mães desdentadas: o retrato da miséria na ditadura que ficou ‘escondido’ nos arquivos do IBGE

O Brasil vivia a rebarba do milagre econômico — período de acelerado crescimento na primeira metade da Ditadura Militar (1964-1985) — quando o Instituto Brasileiro de Geografia e...

Lideranças brancas têm responsabilidade na busca pela equidade racial

O Censo 2022 revelou um dado de extrema relevância histórica e simbólica: o total de brasileiros que se autodeclaram pretos cresceu 42,3% na comparação com a edição de...
-+=