DF amplia a lista de ambientes que devem oferecer proteção às mulheres

Enviado por / FonteCorreio Braziliense

Supermercados, farmácias, shoppings também entraram no rol de estabelecimentos que devem apoiar as mulheres vítimas de violência. Antes, a lista só incluía casas noturnas, restaurantes e bares

Em importante medida para combater a violência de gênero, o Distrito Federal sancionou uma alteração na Lei 6.564/2020. Publicada no Diário Oficial do DF (DODF) desta terça-feira (18/7), a mudança amplia a proteção a mulheres em ambientes comerciais. Antes a legislação determinava que medidas de apoio às mulheres fosse adotadas em casas noturnas, restaurantes e bares. Com a modificação, supermercados, farmácias, shoppings e outros estabelecimentos comerciais passam a ter essa obrigação.

A nova lei estabelece medidas específicas para garantir a proteção das mulheres em estabelecimentos comerciais da capital. Dentre as principais regras, está a fixação de cartazes nos banheiros femininos e outros locais de destaque. As peças devem conter informações sobre onde procurar apoio no estabelecimento, caso a mulher se sinta ameaçada.

Além dessa iniciativa, os ambientes devem providenciar acompanhamento da mulher até o veículo de transporte dela, ou comunicar a polícia em caso de risco. Nesse sentido, os funcionários dos estabelecimentos deverão passar por treinamento para agir em caso de violência de gênero.

A medida faz parte do protocolo Por Todas Elas, que visa estabelecer diretrizes de proteção que atenderão mulheres que tenham sofrido assédio ou importunação sexual em ambientes de lazer. Segundo a Secretaria da Mulher “as equipes técnicas dos órgãos estão planejando a capacitação a ser oferecida aos estabelecimentos, bem como a produção do material a ser distribuído nos locais”.

Repercussão

Autoridades governamentais comemoraram a sanção da lei, destacando sua importância na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Para a governadora em exercício, Celina Leão, a medida traz mais segurança à parcela feminina da sociedade, principalmente para mulheres que têm medo de denunciar os agressores.

A secretária da Mulher do DF, Giselle Ferreira, comemorou a ampliação da inciativa e destacou a importância de preservar o bem-estar desta parcela da sociedade. “Nosso desafio é assegurar a proteção, o respeito e a igualdade de oportunidades para as mulheres em todas as esferas da sociedade, e hoje demos mais um passo nessa direção”, afirmou.

A chefe da pasta também ressaltou que a lei exige a participação de diversos setores. “É de extrema importância a participação plural na formulação das políticas públicas de gênero, na promoção das mulheres e na conscientização da sociedade quanto à proteção das vítimas de violência”, comentou.

+ sobre o tema

Golpe em site e app de encontro bate recorde; veja como não ser enganado

O número de vítimas de golpes em serviços de...

O que sabemos sobre a investigação do estupro coletivo de uma menina de 12 anos no Rio de Janeiro

Um ano depois, a mesma violência. Por Andréa Martinelli Do Huffpostbrasil "Cala...

Ludmilla recebe medalha após iniciativa por doação de sangue

A cantora Ludmilla foi agraciada na noite de quinta-feira...

Pacientes do Sanatório Pinel incluíam homossexuais e mulheres cultas

Cartas revelam o drama de quem foi internado à...

para lembrar

Cinema e representação – Teoria Feminista do Cinema

Uma questão importante para nós, mulheres, é a questão...

Menina de 7 anos cria Quadrinhos sobre Cabelo Afro Mágico.

Aos 7 anos, a americana Natalie McGriff, começou a...

A militante e o motorista do busão

O ônibus cortava e recortava pela avenida principal. Nós,...

Previdência: marcos éticos para a inclusão social

A realização da Reforma da Previdência Social é um...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=