‘Dicionário das Relações Étnico-Raciais Contemporâneas’ convida ao aprendizado

Obra é a primeira do gênero produzida integralmente no país

A dimensão étnico-racial vem ocupando lugar essencial para a análise social, política, econômica e cultural do Brasil e se tornou um dos temas mais populares e complexos dos tempos atuais. Conceitos desenvolvidos ao longo de décadas de lutas, estudos e estatísticas se unem (ou se confrontam) no debate coletivo com percepções individuais matizadas por visões de mundo não raro antagônicas.

Por isso é de importância ímpar o lançamento do “Dicionário das Relações Étnico-Raciais Contemporâneas”, um material de fôlego organizado por Flávia Rios, Márcio André dos Santos e Alex Ratts, que chega às livrarias este mês pela editora Perspectiva.

Em suas 328 páginas, especialistas brasileiros e de várias partes das Américas discorrem didaticamente sobre 53 verbetes, que vão de “afrocentricidade” a “holocausto”, de “islamofobia” a “perigo amarelo”, de “povos indígenas” a “teoria crítica racial”.

Os organizadores apontam como um dos propósitos principais do compêndio ser uma ferramenta para “ampliar e balizar posicionamentos”, e o antropólogo Kabengele Munanga, que assina a orelha do dicionário, indica algo fundamental: uma oportunidade de que nos entendamos a partir do compartilhamento de noções essenciais para essa conversa. A democratização de um léxico basilar que, neste momento da história, traduz o que se fala ao utilizar termos hoje tão conhecidos quanto comumente mal compreendidos, como “branquitude“, “raça” ou “genocídio”.

“O objetivo central é trazer um panorama amplo de temas e termos relevantes no Brasil, na América Latina e em outras partes do mundo que dizem respeito às dinâmicas, tensões e anseios de diferentes grupos sociais que são racializados nas Américas. O dicionário tem uma perspectiva histórica, recuperando conceitos mais antigos, mas também registra termos novos que circulam em pleno século 21”, resume à coluna Flávia Rios, doutora em sociologia pela Universidade de São Paulo, professora da Universidade Federal Fluminense e uma das organizadoras da obra —a primeira do gênero produzida integralmente no país.

“Com o dicionário pretendemos alcançar pessoas diversas e também instituições, como escolas e universidades, além de fortalecer o próprio debate público, porque nem sempre a gente pode parar para ler 50 livros para entender um conceito. Então, recorremos a especialistas de diferentes áreas do conhecimento, que estão há décadas trabalhando em alguns temas e por isso puderam escrever em cinco ou seis páginas sobre termos-chaves das relações étnicas e raciais”, diz Rios. “O objetivo é o de difusão de conhecimento, como um bom dicionário deve ser.”

Alguns dos autores que compõem o volume são Ynae dos Santos, Lilia Moritz Schwarcz, Aderivaldo Ramos de Santana, Paulo Neves, Angela Figueiredo, Michel Gherman, Francirosy Campos Barbosa, Gersem Baniwa, Aza Njeri e Laís Miwa Higa, entre outros.

“Neste início de século, muitos conceitos apareceram e animam o debate público e acadêmico no Brasil. Foi importante para nós, organizadores, que diferentes grupos pudessem apresentar as suas contribuições nesse dicionário. Com isso, foi possível mostrar diversas camadas da multirracialidade brasileira, a exemplo da questão negra, indígena, judaica e do leste asiático, dos imigrantes latino-americanos e africanos, dentre outros”, pondera Rios.

Também pesquisadora do Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Afro/Cebrap), ela aponta ainda para o caráter pedagógico do volume, que não ignora o potencial das redes sociais para a disseminação rápida dos temas abordados pelo material.

“O dicionário se situa entre um debate mais rápido, como vemos na internet, e um artigo científico um pouco mais longo. Com isso, pode matar a curiosidade que temos sobre certos assuntos, garantindo um pouco de profundidade.”

Por fim, a ideia é ainda estimular o aprendizado contínuo sobre uma temática que é dinâmica, a partir das linhas de reflexão que os autores apresentam, conta a organizadora. Deixar “um gostinho para quem quer buscar mais conhecimento, porque temos boas referências bibliográficas”.

+ sobre o tema

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Me sinto decapitado’: por que cada vez mais homens têm o pênis amputado no Brasil?

Uma verruga no pênis fez João*, de 63 anos,...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

Abdias Nascimento: Eu tenho um sonho…

por: MAURÍCIO PESTANA FOTOS JANUÁRIO GARCIA ... ainda quero ver...

No Brasil, a medicina é branca e classe média – Por: Mara Gomes

Vale milhões de vezes mais a vida de um...

“Descarregar a arma”, disse PM ao levar jovem encontrado morto no Rio

Um dos dois policiais presos sob suspeita de envolvimento na...

“Quando você chama a pessoa de macaco, você está jogando toda a humanidade dela no lixo.”

Por: Maria Carolina Trevisan Emicida explica de forma direta e...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=