Direitos humanos perderam por ‘W.O.’

É espantoso que os interessados em assumir a gestão municipal não tenham os direitos humanos como prioridade da agenda

Por Flávia Oliveira, do O Globo 

Foto: Marta Azevedo

A corrida eleitoral entra na semana derradeira com um episódio que, por não realizado, diz muito sobre como o mundo político brasileiro ignora o necessário (e moderno) debate sobre inclusão de minorias — se não numéricas, certamente de representação político-econômica. Explico. A Ação da Cidadania — movimento formatado pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, aquele que na primeira metade dos anos 1990 apresentou ao país a agenda de combate à fome e à miséria — convidou dez candidatos a prefeito do Rio para um debate sobre direitos humanos, na última quarta-feira. Por falta de quórum, o evento acabou cancelado.

Marcelo Crivella (PRB), líder nas pesquisas de intenção de votos, recusou de cara, assim como Flávio Bolsonaro (PSC) e Carmen Migueles (Novo). Pedro Paulo Carvalho (PMDB) não respondeu. O tucano Carlos Osorio indicou a candidata a vice, Aspásia Camargo (PV). Jandira Feghali (PCdoB) e Marcelo Freixo (PSOL) confirmaram presença, mas desmarcaram às vésperas do debate. Comprometidos do início ao fim, só ficaram Alessandro Molon (Rede), Cyro Garcia (PSTU) e Índio da Costa (DEM).

Na cidade tão maravilhosa quanto partida, é espantoso que os interessados em assumir a gestão municipal não tenham os direitos humanos como prioridade da agenda. A desigualdade moldou a capital. O preconceito contra negros e LGBTs sobrevive, a misoginia resiste, a intolerância religiosa é crescente. A área reservada para o debate comportaria até duas mil pessoas, entre representantes do movimento social, ativistas e eleitores. Quatro especialistas ajudaram a formular as indagações sobre gênero, LGBTfobia, juventude, racismo. O público escolheria quais das 20 questões seriam respondidas pelos candidatos.

Como debate não houve, ficamos sem saber se há diversidade nas equipes de campanha e programa de governo ou quantos negros, mulheres e homossexuais integrarão o secretariado. Tampouco se a legislação que determina o ensino de história e cultura afrobrasileira e indígena será finalmente cumprida na rede municipal. Pouco soubemos sobre propostas de políticas públicas de combate à violência de gênero ou de equidade no mercado de trabalho; nem como o futuro prefeito vai se posicionar em relação aos homicídios de jovens, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros.

No Rio de Janeiro de 2016, a agenda de direitos humanos foi secundarizada pelos candidatos a prefeito. Perdeu por W.O. É o avesso do conceito de cidade inclusiva, desenvolvida, sustentável. Mau sinal.

 

+ sobre o tema

Feliciano reabrirá ao público sessões de comissão, diz líder do PSC

  Pressionado pela cúpula da Câmara e pelo próprio partido,...

Manifestantes em prol dos direitos humanos fazem protesto em Cuiabá

Membros de institutos, ONGs e estudantes fizeram protesto na...

Ex-vítimas de trabalho escravo ganham vida nova em estádio da Copa

José Divino da Silva, de 58 anos, ainda...

para lembrar

Índios proibidos de comer na escola

Vários casos de racismo e intolerância envolvendo alunos...

Desigualdade é o maior desafio da América Latina e Caribe, diz ministro brasileiro em reunião da ONU

“O vínculo entre desenvolvimento social e direitos humanos deve...

Professora da PUC aceita convite para Direitos Humanos de Temer

Procuradora e professora de direito constitucional e direitos humanos...

Cidade Maravilhosa, Cidade Militarizada

UM EFETIVO DE cerca de 85 mil — entre eles Força...
spot_imgspot_img

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela Seleção Brasileira, 42 títulos, duas vezes campeão da Copa América e da Copa das Confederações,...
-+=