É com grande pesar que informamos que Luiza Helena Bairros faleceu esta manhã em Porto Alegre

É com grande pesar que informamos que Luiza Helena Bairros faleceu esta manhã em Porto Alegre vitima de câncer no pulmão contra o qual lutava há meses.

Natural de Porto Alegre, era graduada em Administração Pública e de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul além de possuir títulos de Mestre em Ciências Sociais (UFBA) e de Doutora em Sociologia (Universidade de Michigan – USA). Morava em Salvador desde 1979, onde atuou em diversos movimentos sociais, com destaque para o Movimento Negro Unificado – MNU.  Trabalhou em programas das Nações Unidas – ONU contra o racismo em 2001 e em 2005. Foi titular da Secretaria de Promoção da Igualdade Social da Bahia e Ministra-chefe da Secretaria de Políticas Públicas da Igualdade Racial do Brasil, de 2011 a 2014. Trabalhava e militava politicamente nas áreas de raça e gênero.

Para os movimentos sociais sobretudo os de mulheres e negros Luiza Bairros deixa reflexões fundamentais para compreensão e acão politica pela igualdade de gênero e raça.

Para a administração publica Luiza Bairros deixa ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir) uma ferramenta que segundo ela inaugura a possibilidade de um novo ciclo das políticas de promoção da igualdade racial no Brasil visando o fortalecimento e a institucionalização de órgãos, conselhos, ouvidorias permanentes e fóruns voltados para a temática nos estados e municípios.

Luiza Bairros considerava que o Sinapir exige um esforço especial de gestores e gestoras no sentido da institucionalização dos órgãos de Promoção da Igualdade Racial (PIR). Segundo ela: “Não existe qualquer possibilidade de uma política pública ser bem-sucedida se o trabalho não for desenvolvido com os entes federados, porque é dessa maneira que se consegue que a política chegue às pessoas. Os resultados desse esforço vão depender também do empenho de governadores e prefeitos na compreensão da política de PIR.”

Para saber mais sobre Luiza Bairros click aqui 

O Portal Geledes oferecerá maiores informações acerca do velório e sepultamento assim que forem disponibilizadas pela família.

O sepultamento de Luiza Bairros será na próxima 5a. feira  dia 14 de julho as 15 horas no Memoral da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul e segue para a capela 9 do Cemitério João XXIII situado na Avenida Natal, 60 – Medianeira, Porto Alegre.

 

+ sobre o tema

PEC que proíbe aborto avança no Senado e pode ser votada na CCJ

Desarquivada em fevereiro, a PEC 29/2015 garante a “inviolabilidade...

Salvador – Prefeito nomeia Mônica Kalile para Politica para Mulheres

Foi publicado hoje (25), no Diário Oficial do Município,...

“Sou gay e quero um mundo melhor”, diz diretor de cinema e ator brasileiro

Premiado por curtas que focam na temática LGBT, diretor...

Anielle Franco é eleita uma das mulheres do ano pela revista Time

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, foi eleita pela...

para lembrar

Projeto “DEUS” o filme

No Kickante       Para contribuir clique aqui  

Por que é tão difícil encontrar maquiagem para peles negras?

Mais da metade da população brasileira é negra e,...

17 caras que não estão nem aí para regras de estilo por gênero

por Tolani Shoneye no BuzzFeed A photo posted by Ramoan Bruce...

A Somália da escritora Nadifa Mohamed. Por Luísa Gadelha

Pouco ouvimos falar sobre a Somália, um dos países...
spot_imgspot_img

Bebê nasce com o DNA dos dois pais no dia do combate à homofobia

Antonella nasceu em uma data simbólica e de resistência, 17 de maio, quando é celebrado o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia....

Proposta cria cadastro de condenados por violência contra a mulher; Câmara aprova urgência

A Câmara dos Deputados aprovou, na segunda-feira (27), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que cria o Cadastro Nacional de...

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...
-+=