Emissário da União Africana confiante na estabilização da Guiné-Bissau

Dakar – O representante especial da União Africana (UA), Sebastião Isata, declarou-se quinta-feira “confiante e optimista” quanto aos esforços em curso, interna e externamente, para a estabilização política deste país da África Ocidental.

“Estamos a encarar com optimismo e confiança o evoluir da situação para uma verdadeira reconciliação de todos os filhos da Guiné”, realçou Isata no termo de audiências com o primeiro-ministro e com o Presidente da República da Guiné- Bissau, respetivamente Carlos Gomes Júnior e Malan Bacai Sanhá.

Falando à imprensa em Bissau, Sebastião Isata disse fundar o seu optimismo no “espírito de abertura e compromisso” que tem norteado todos os encontros mantidos até agora com as autoridades governamentais desde a sua chegada ao país, domingo passado.

Ele disse estar “muito satisfeito” com os resultados obtidos até agora durante tais encontros que descreveu como “frutíferos”, lembrando que esta foi a segunda vez, em menos de uma semana, que ele é recebido pelas mais altas autoridades do país.

As suas primeiras audiências com o primeiro-ministro e com o Presidente da República tiveram lugar na última segunda-feira, um dia depois da sua chegada à capital bissau-guineense, Bissau.

De acordo com ele, o ponto dominante nos encontros de trabalho realizados até agora tem sido a imperiosidade do retorno da Guiné-Bissau à normalidade constitucional e a consolidação dos ganhos da democracia pluralista no país.

Por isso, disse, tem defendido insistentemente a necessidade inadiável de um “diálogo permanente” capaz de contribuir para o alcance de tal meta porque, explicou, “a razão de ser dos Estados é o bem-estar e o progresso social dos seus povos”.

“Tem de haver um diálogo permamente que seja ao mesmo tempo construtivo e positivo porque, no prosseguimento desses objectivos (bem-estar e progresso social), surgem sempre contradições intersubjectivas”, sentenciou o diplomata angolano ao serviço da UA.

Para ele, estando tais contradições na mente dos homens “é também na mente dos homens que elas (as contradições) devem ser erradicadas através do diálogo e da cultura democrática e de tolerância”.

Sebastião Isata, diplomata de carreira e jurista de formação especializado em Relações Internacionais enquanto docente universitário, é um antigo vice-ministro angolano das Relações Exteriores que se encontra ao serviço da organização continental desde meados deste ano.

Para além de ser o representante especial da UA na Guiné- Bissau, ele foi igualmente nomeado para chefiar a representação permanente desta organização panafricana a ser inaugurada nos próximos dias em Bissau.

Fonte: ANGOP

+ sobre o tema

A importância da democracia direta

A Suíça vive nos últimos tempos um novo...

Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

  O Centro terá como sede a Universidade Federal do...

10 ideias errôneas que temos sobre a África

Uma jornalista da Namíbia, Christine Vrey, estava revoltada com...

para lembrar

Nasce um novo movimento social nos Estados Unidos

A presença de um amplo leque de sindicatos transformou...

Defensor dos direitos humanos é eleito presidente da Alemanha

O parlamento alemão elegeu neste domingo Joachim Gauck, um...

Funeral de Chris Lighty reúne estrelas do hip-hop em NY

Diddy, 50 Cent, LL Cool J, Q-Tip, Russell Simmons...

Bono desafia Lula: vamos fazer juntos um Bolsa Família planetário

Ex-presidente e vocalista da banda U2 se encontraram nesta...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=