Erenice Guerra anuncia processos contra revista Veja

Escritório Tojal, Teixeira Ferreira, Serrano e Renault Advogados Associados fará defesa

A ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, contratou o escritório de advocacia Tojal, Teixeira Ferreira, Serrano e Renault Advogados Associados para atuar nas ações judiciais contra reportagem publicada pela revista Veja desta semana, contestada por meio de nota. As informações constam em comunicado distribuído nesta segunda-feira (13) à imprensa.

A reportagem da Veja traz a denúncia de que Israel Guerra fez lobby para empresas aéreas com interesses na obtenção de contratos com os Correios. Segundo a publicação, o lobby teria rendido ao filho de Erenice uma comissão de cerca de R$ 5 milhões. Na ocasião, a Casa Civil era chefiada pela candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, e Erenice ocupava o posto de secretária executiva, atuando como principal auxiliar de Dilma.

Pela manhã, a ministra também solicitou à Comissão de Ética Pública da Presidência da República a imediata instauração de procedimento para apurar a sua conduta em relação às notícias publicadas pela revista. Na solicitação, a ministra reafirmou a disposição de abrir os seus sigilos bancário, telefônico e fiscal, se necessário, bem como os sigilos de seu filho.

A reportagem

Reportagem da revista Veja afirma que o filho da ministra teria recebido dinheiro de um empresário para intermediar um contrato com os Correios e que Erenice teria se encontrado algumas vezes com esse empresário. Erenice nega as acusações e divulgou nota para se defender no fim de semana.

No texto, ela se refere à reportagem como “caluniosa” e diz que colocará à disposição seus sigilos fiscal, bancário e telefônico. Além disso, afirma que irá tomar, em relação à revista, “medidas judiciais para a reparação necessária”.

Antes de assumir a Casa Civil em abril deste ano, Erenice foi braço direto da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, quando ela comandava a pasta.

As denúncias contra a ministra Erenice ganharam a campanha eleitoral e foram mencionadas pela propaganda eleitoral na TV do candidato do PSDB, José Serra, e também foram citadas pelo tucano durante o debate entre os presidenciáveis promovido na noite de segunda-feira pela RedeTV! e pelo jornal Folha de S.Paulo.

Dilma afirmou no debate que não poderia ser julgada pelo que o filho de sua antiga assessora poderia ter feito. E cobrou apuração das denúncias.

Nesta segunda-feira (13), o assessor da Casa Civil Vinícius de Oliveira Castro pediu para deixar o cargo. Ele foi citado na reportagem como participante do suposto suposto esquema para beneficiar empresas com contratos no governo.

Fonte: R7

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

O paradoxo da justiça climática no Brasil: o que é e para quem?

Há uma infinidade de ensaios, estudos de caso e...

Juiz veta decote e exige higiene em fórum da zona norte de São Paulo

  Diretor quer proibir ingresso de pessoas com "trajes incompatíveis"...

A semente do ódio

Atualmente, vivemos uma verdadeira enxurrada de propaganda fascista, a...

Chimamanda Ngozi Adichie: Crônica de um grande erro

Tia Chinwe despertava a admiração de todos, mas isso...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=