Erika Hilton aciona Ministério dos Direitos Humanos para acompanhar caso de agressão a mulheres trans no Rio

Polícia Civil investiga ataques a duas jovens na madrugada da última sexta-feira na saída de uma roda de samba na Lapa; comissão da OAB-RJ presta atendimento jurídico

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) acionou o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania (MDHC), em ofício encaminhado nesta terça-feira, para acompanhar o caso de agressão a duas mulheres trans na saída de uma roda de samba na Lapa, no Rio de Janeiro, na madrugada da última sexta-feira.

No documento, a parlamentar pede “urgente atenção” da pasta sobre o episódio. O caso foi registrado na 5ª DP (Mem de Sá), no Centro do Rio, e é investigado pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ). Segundo a corporação, “os envolvidos foram ouvidos e os agentes buscam testemunhas e imagens de câmeras de segurança da região”.

Mulheres trans são alvo de agressão na saída do Casarão do Firmino, na Lapa. — Foto: Reprodução / Instagram

No ofício, Erika Hilton lembra que janeiro é considerado o mês da visibilidade trans, dedicado a jogar luz sobre as “estatísticas alarmantes que apontam para a crescente violência contra pessoas trans no Brasil”, e que a que a transfobia é crime equiparável ao de racismo no Brasil, segundo entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Diante desses fatos, venho, por meio deste ofício, solicitar a urgente atuação do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) para acompanhar o caso em questão, de modo a contribuir para a garantia dos direitos fundamentais da vítimas durante as investigações, sobretudo sua identidade de gênero e a promoção de iniciativas que possam prevenir casos de transfobia em bares, restaurantes e estabelecimentos comerciais”, diz o documento.

Ofício encaminhado ao Ministério dos Direitos Humanos pela deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) sobre caso de agressão a mulheres trans no Rio. — Foto: Reprodução

De acordo com o relato das modelos e designers de moda, Zuri, de 25 anos, e Lua, de 28, ao GLOBO, os ataques foram proferidos por cerca de 20 homens, entre eles seguranças do Casarão do Firmino, uma roda de samba na Lapa, ambulantes que estavam no local e um motorista de aplicativo. Elas afirmam que as agressões foram motivadas por duas delas serem mulheres trans.

— Os seguranças e os ambulantes ficaram gritando: “pode bater que é tudo homem, pode espancar que é tudo homem”. Derrubaram a gente no chão e, quando dei por mim, estava no chão sendo chutada por várias pessoas. Todo aquele ódio gratuito foi motivado pela transfobia. No segundo em que souberam que éramos trans, invalidaram toda nossa feminilidade — contou Lua ao GLOBO.

Numa primeira nota, Casarão do Firmino disse que “um grupo” teria arremessado garrafas em direção à grade, onde ficam os colaboradores, após o samba ter terminado, e que o tumulto teria ocorrido do lado de fora. Posteriormente, o estabelecimento emitiu um segundo comunicado lamentando os fatos ocorridos, e disse se sensibilizar com as vítimas e não tolerar “qualquer tipo de violência, principalmente atos que possam ser decorrentes de discriminação”.

“Estamos à disposição das mulheres envolvidas no caso para acolhimento, apoio e apuração dos fatos, assim como das autoridades competentes para o esclarecimento da lamentável ocorrência. Desde já, o Casarão do Firmino se compromete a reforçar o treinamento de todos os nossos colaboradores, com o objetivo de garantir o respeito às diversidades – em especial ao público LGBTQIAP+, bem como racial e étnica – à dignidade humana e à liberdade de pensamento e de ideologia política”, disse a nota.

Nesta terça-feira, após o caso repercutir nas redes sociais, Zuri e Lua foram recebidas pela Comissão de Direitos Humanos e Assistência Judiciária (CDHAJ) da OABRJ, que se ofereceu para prestar o atendimento jurídico necessário ao caso. A investigação da Polícia Civil do Rio será acompanhada pela comissão e pelo advogado das vítimas, Djeff Amadeus.

“Nitidamente a transfobia foi a motivação das agressões. Infelizmente existe essa prática de tentar criminalizar as vítimas e colocá-las como causadoras desta situação, mas elas devem ser tratadas como o que são, vítimas. Elas precisam ter não só uma resposta do Estado, mas também um acolhimento”, disse o procurador Rodrigo Mondego, da CDHAJ, em nota.

Ofício encaminhado ao Ministério dos Direitos Humanos pela deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) sobre caso de agressão a mulheres trans no Rio. — Foto: Reprodução

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Quem decide sobre o corpo das meninas?

Em Porto Alegre, disputa jurídica tem como alvo o...

4 suspeitos de torturar e matar Dandara são presos no Ceará

"Todo atentado contra a vida é um crime hediondo,...

Mercado de trabalho ainda é desafio para as transexuais

O dia 9 de setembro de 2020 foi um...
spot_imgspot_img

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...
-+=