Erradicar a fome

Enviado por / FonteO Globo, por Télio Navega

As fomes são diferentes, são tantas, e precisam ter fim para que tomemos melhores decisões individuais e coletivas

O título desta coluna deveria ser “e não vai estragar a chapa da casa de ninguém”, mas não caberia. As chapas são na verdade folhas de zinco, aquele elemento essencial para a saúde humana, que ajuda na cicatrização da pele, na memória, previne diabetes.

O zinco, por não sofrer corrosão, é bastante usado na galvanização do aço e do ferro. “Casas de chapa” são feitas de folhas de zinco e, apesar da romantização do “morro com seus barracões de zinco, quando amanhece que esplendor”, a sensação térmica dentro dessas casas pode chegar a níveis absurdos, um forno humano.

Uma casa inteiramente feita de chapa é uma habitação pobre, e não por acaso foi a primeira moradia da minha avó quando chegou ao Rio. Elizeth Cardoso, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho e tantos outros cantaram: “Barracão de zinco, tradição do meu país”.

Por vezes, até dava para construir as paredes de tijolo, mas o telhado continuava de zinco.

Assim, mesmo uma bênção, quando cai do céu, precisa ter o cuidado de não estragar a chapa. Entende?

Preciso voltar um pouco no tempo.

Há alguns dias, conheci finalmente a província do Huambo. Bom, conhecer não é bem a palavra, foram menos de 72 horas na cidade. O Huambo chegou a ser capital, foi chamada de Nova Lisboa e, mesmo em 72 horas, é fácil perceber por que Angola teve uma das maiores guerras de libertação do continente e o motivo de os colonizadores não quererem sair daqui.

Eu já havia ouvido falar muito de como Huambo é diferente de Luanda, quase uma rixa Rio-São Paulo-Minas, do litoral e do interior. Linha férrea, ovimbundos, caminhos largos, limpeza, universidades, umbundo falado pelas ruas, chuva e muitos jovens.

Na minha última noite, dois deles sentaram na mesa que eu ocupava sozinha. No puxar das conversas, o desenvolvimento do país era tema principal e um deles disse uma daquelas frases que silenciam a mesa do bar:

— O problema é que aqui trabalhamos pela fome, depois pelo sonho. Precisa primeiro erradicar a sua própria fome, para depois conseguir tomar boas decisões.

No dia seguinte, já em Luanda, ouvir o novo hit “Chuva de comida” caiu como uma luva em todas as conversas do passado e do futuro.

O angolano Rap Gang, o cantor e compositor da música ‘Chuva de comida’ — Foto: Divulgação

Rap Gang, o cantor e compositor da música, lista dezenas de “bênçãos” que cairão do céu em forma de chuva. A comida é a principal delas, mas também caem colchões de mola, mulheres russas, motos, carros, camas com lençóis, sacos de cimento, prédios, mobílias… Quem ocupar ocupou, porque ninguém virá reclamar. Os bancos e lojas não terão mais guardas, os funcionários não precisarão mais trabalhar, os mendigos vão dormir em cima de dinheiro. O melhor é que isso não vai acontecer só em Angola, isso é para todo o planeta. Visivelmente uma mistura de comunismo com apocalipse.

Mas sabe o melhor mesmo? Ainda que tudo isso caia do céu, milagrosamente, não vai estragar a chapa da casa de ninguém!

Antes do rapper-kudurista, os Titãs já cantaram que “a gente não quer só comida”. As fomes são diferentes, são tantas, e precisam ser emergencialmente erradicadas para que tomemos melhores decisões individuais e coletivas, principalmente decisões políticas. Porque são essas decisões capazes de estragar a casa de tanta gente, especialmente dos que ainda têm a casa inteira feita de chapa.

Era para ter sido uma mulher preta. Entende?

+ sobre o tema

Jornalista é vítima de injúria racial dentro de supermercado da Baixada Fluminense

O colunista Daniel Nascimento, do jornal O Dia, foi...

Prazo para comprovar dados do Prouni termina nesta terça-feira

Termina nesta terça-feira (20) o prazo para que candidatos...

Beyoncé revela ter psoríase e fala sobre sua relação com o cabelo ao lançar linha de cosméticos

Beyoncé revelou em uma entrevista ter psoríase no couro cabeludo....

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião...

para lembrar

Mulheres negras: As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre

Este texto foi lido pela autora numa conferência realizada...

Um compromisso contra o racismo nas Américas, um impulso pelos direitos das mulheres negras no Brasil

A recente notícia da ratificação da Convenção Interamericana contra...

25 de julho é de memória, luta e reconhecimento para mulheres negras

No mundo inteiro as mulheres têm buscado associar dias,...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Somos o mundo

Faz quase 40 anos, uma ação entre artistas mudou a forma de celebridades e sociedade civil se relacionarem com agendas humanitárias urgentes. A ficha...

Vôlei brasileiro tem denúncias de racismo em dias consecutivos, e atletas cobram confederação

A Superliga B, segunda divisão da principal competição de vôlei do país, registrou duas denúncias de racismo na última semana —uma na disputa feminina e outra na masculina....
-+=