Escrever-me

Minha irmã Cláudia comentou que ando escrevendo com frequência sobre a morte. Tá demais, disse. Ela tem razão, a morte entrou firme nas minhas pautas. Sei o motivo: acúmulo de perdas importantes, a última delas, a do meu cachorro, Chico. Ademais por acreditar que falamos pouco sobre o fim, por conta do medo e do pudor. Mas a Cláudia é minha leitora assídua, daí prometi refletir sobre o está demais.

Por Fernanda Pompeu, do Yahoo

Em encontros presenciais e digitais, amigas e amigos leitores, às vezes, me sugerem temas para vestir minhas crônicas. Em geral, bons assuntos. O amor entre mulheres, o casamento da síndica com o porteiro, a derrocada do bom senso dos brasileiros, o passamento da bezerra, entre listas de outros. Quando eu tentava ser romancista (tentei por duas vezes), algumas pessoas me diziam: Puxa, minha vida dá um romance. Agora que sou cronista – escriba de textos curtos, de rés-do-chão – encho malas e mochilas com sugestões.

Mas o fato é que não rola. A ideia generosamente ofertada pode ser original, brilhante até. Porém não funciona. Para que um tema vista uma crônica, ele precisa ter o número do meu manequim. Mais claro, a história necessita escrever-se antes em mim. Passar por dentro da cabeça, do coração, das tripas. Apesar de ser arriscado generalizar, tenho alguma certeza de que os escritores sempre escrevem sobre os seus temas.

Também tenho pouca dúvida que os temas escolhem a escritora e nunca o inverso. Outro dia, passeando pelo domingo no bairro da Liberdade, esse lugarzinho de Sampa que se pensa oriental, parei e comi o oniguri – bolinho de arroz japonês. Enquanto degustava pensei fazer uma crônica sobre o doce mil-folhas que eu saboreava, mais de quarenta anos atrás, numa padaria na rua Joaquim Távora, em Niterói.

Veja como são as coisas: o mil-folhas, não o oniguri, está internalizado no meu subsolo. Bem como o subsolo da carioca Central do Brasil, onde meu avô postiço e judeu tinha uma sapataria. Sempre lembro do vô Júlio quando transito pela paulistana Estação da Luz. Preciso escrever uma crônica sobre a vida na Sapataria Carneiro.

Imagem: Régine Ferrandis

+ sobre o tema

A inovação política que emerge nas periferias

Resultados do 1º turno reforçam nova configuração no Folha de...

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

Mitt Romney é vaiado por organização afro-americana nos EUA

Republicano foi vaiado por 25 segundos durante convenção em...

Serra chama negros tucanos ao Palácio para abafar crise

Fonte: Afropress     S. Paulo - A crise aberta com as...

para lembrar

Joaquim Barbosa diz que há ‘grande déficit de Justiça’ entre os brasileiros

No discurso de posse, o novo presidente do Supremo...

Obama lamenta morte de dissidente e pede fim da repressão em Cuba

O presidente americano, Barack Obama, pediu que o governo...

Delação contra Temer fortalece plebiscito

Confirmada a delação de Marcelo Odebrecht, de que repassou...

Brasil criou mais de 118 mil fundações e associações sem fins lucrativos

Das 118,7 mil fundações privadas e associações sem fins...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=