Ex-funcionários acusam Google de racismo nos EUA

Enviado por / FonteFórum, por Carolina Fortes

De acordo com o relatório de diversidade de 2021, 4,4% dos funcionários da empresa nos Estados Unidos eram “Black+”

Uma ex-funcionária do Google está processando a empresa por, segundo ela, discriminar sistematicamente os trabalhadores negros, colocando-os em empregos de nível inferior, pagando-os mal e negando-lhes oportunidades de avançar.

April Curley, que trabalhou na companhia de 2014 até 2020, criava programas para recrutar pessoas em faculdades e universidades historicamente negras.

“O Google está engajado em um padrão nacional ou prática de discriminação racial intencional, e mantém políticas que têm um impacto diferente contra funcionários negros nos Estados Unidos”, afirma o processo, feito no modelo de ação coletiva. O documento reúne queixas que os funcionários negros expressaram ao longo dos anos sobre trabalhar no Google.

Mesmo tendo se tornado um dos maiores empregadores privados nos Estados Unidos, a empresa tem lutado para aumentar a diversidade racial e de gênero entre seus funcionários – especialmente sua equipe de engenharia bem remunerada.

De acordo com o relatório de diversidade de 2021, 4,4% dos funcionários do Google nos EUA eram “Black+”, o que inclui aqueles que se identificam com mais de uma raça, uma das quais é negra. Isso está muito abaixo da média nacional de 9,1% para empresas de buscadores digital, de acordo com o Bureau of Labor Statistics.

Salários menores e empregos de nível inferior

Segundo o processo aberto por Curley contra a companhia, o Google contratou vários funcionários negros para fazer trabalhos inferiores ao que deveriam para sua experiência. Por isso, ganhavam pior do que os empregados brancos.

Curley também diz que a empresa fazia perguntas intencionalmente difíceis para que candidatos negros se saíssem mal nas entrevistas, e acusa o Google de contratar trabalhadores negros para empregos com salários mais baixos e com menos potencial de avanço.

Além disso, a ex-funcionária afirma que o ambiente de trabalho era hostil e que muitas vezes era confundida com outras colegas negras. Ela também não tinha permissão para falar ou apresentar durante reuniões importantes e, uma vez, relatou que se sentiu humilhada e sexualizada quando um gerente perguntou com quais colegas ela queria dormir.

O processo diz, ainda, que o salário de Curley foi reduzido, e que em 2019 ela foi repreendida por se manifestar em reuniões de equipe e desafiar as política internas. Um ano depois, a empresa colocou-a em um plano de melhoria de desempenho e a demitiu em setembro de 2020.

+ sobre o tema

Por que a ciência precisa de diversidade?

Se a diversidade étnico-racial vem ganhando espaço na agenda...

Comitê Estratégico apresenta propostas contra o racismo

O Comitê Estratégico, comandado pelo presidente da FIFA, Joseph...

Sejamos honestos as ruas são preciosas demais para abandoná-las aos perversos

ESTAMOS VIVENDO UM DAQUELES MOMENTOS HISTÓRICOS DECISIVOS. Aquele ponto...

para lembrar

Nem pense em me matar

Segunda Dona Maria Terça, Isabela Quarta, a Zumira Quinta a Dona Eva Sexta,...

Acampamento ‘ensina racismo’ na África do Sul

O documentário Afrikaner Blood (Sangue Africâner, em português), das...

Outdoor que expõe racistas: um bronze que vale ouro

Os racistas que se escondem atrás dos teclados foram...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=