Exposição de arte contemporânea denuncia ausência de corpos negros na sociedade

A mostra que reúne trabalhos de dez artistas negros e negras entra em cartaz no Museu da Abolição

Do Diario de Pernambuco

A exposição coletiva Os da minha rua: Poéticas de r/existência de artistas afrobrasileiros leva artistas negros artistas para ocupar o espaço museológico. Foto: Divulgação

Os corpos negros carregam as marcas da história e foram invisibilizados ao longo dos anos pela sociedade. Ao se deparar com a ausência de negros e negras nas exposições, acervos, escolas, museus e na academia, a professora e pesquisadora Joana D’Arc Souza Lima teve a ideia de unir artistas para ocupar o espaço museológico. Foi assim que surgiu a exposição coletiva Os da minha rua: Poéticas de r/existência de artistas afrobrasileiros, com produção visual de dez artistas contemporâneos, em cartaz a partir desta sexta-feira (19), no Museu da Abolição.
“Durante as pesquisas me dei conta que não via as questões raciais na escrita sobre a arte brasileira. Era gritante a ausência do negro e da negra no campo da arte. Só fui me dar conta quando aprofundei os estudos e vi o quão importante que a questão fosse tematizada publicamente”, aponta. A mostra levanta questões da cultura africana e afro-brasileiras propõe reflexão para o preconceito velado que existe na sociedade. O projeto apresentado em várias linguagens artísticas reúne os trabalhos de Ana Lira (PE), Dalton Paula (GO), Edson Barrus (PE), Izidoro Cavalcanti (PE), José Barbosa (PE), Maré de Matos (MG/PE), Moisés Patrício (SP), Priscila Rezende (MG), Renata Felinto (SP/CE) e Rosana Paulino (SP).

Na sua arte, a pesquisadora Rosana Paulino lança olhar para a posição da mulher negra na sociedade e os diversos tipos de violência sofridos. Rosana vai ministrar minicurso, neste sábado, com tema Arte afrobrasileira: Novos lugares, novas falas. Já Renata Felinto apresenta a obra Embalando mateus ao som de um hardcore (2017), com frases ditas por mulheres que criam seus filhos sozinhas. O artista Dalton Paula expõe fotografias da série Cor da pele e corpo receptivo, que trazem o corpo negro como protagonista. Ainda com as imagens, Moisés Patrício expõe a série Aceita? e tenta quebrar o preconceito existente contra o candomblé.
A pernambucana Ana Lira vai realizar uma proposta de vivência performática com dinâmicas de ancestralidade e micropolítica. Ela apresenta o poema Saia livre dividido em seis carimbos, para debater a presença de grupos e expressões culturais de matriz africana na cultura.  Já a artista visual e poeta mineira Maré de Matos apresenta aquarelas, fotografias, poesia e uma instalação para retratar o rompimento da barragem Mariana, uma das maiores tragédias ambientais do Brasil, em Minas Gerais.

“A instalação discute aspectos da exploração de minério, a emoção das pessoas atingidas pela tragédia e a paisagem corroída. Também falo sobre ser mineiro, ser de minas e trabalhar em uma mina. E como a memória se confunde com a exploração predatória”, conta. Durante o período em cartaz, estão programadas ocupações de outros grupos, performances e instalações. A exposição fica em cartaz até o final de novembro.

+ sobre o tema

Luta por terra é apontada entre violências contra negras no Brasil

Isabela da Cruz cresceu no Quilombo Invernada Paiol de...

Dudu arruma namorada e Bombom o acusa de traição

Nesta segunda-feira (15) Adriana Bombom enviou um comunicado à...

Vini Jr é eleito pela Uefa o melhor jogador jovem da Liga dos Campeões 2021/22

O brilho durante toda a temporada, coroado com um gol...

Mulheres negras conquistam o Mundial de Judô 2013 – por Bia Cardoso

por Bia Cardoso  Durante os dias 26 de agosto...

para lembrar

Morte de Gorete de Yansã

  Hoje nós mulheres negras estamos triste pois mais uma...

Com Lázaro Ramos, “Ó Paí, Ó 2” chega aos cinemas no mês da Consciência Negra

O ator Lázaro Ramos retorna ao Pelourinho para interpretar o cantor...

Pelé ministrará aula inaugural em cursos de pós-graduação

O Rei do Futebol está jogando em várias posições....

Janeth é eleita para o Hall da Fama feminino do basquete

A ex-ala brasileira Janeth Arcain integrará em breve o...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...
-+=