Exposição na Bélgica traz roupas de vítimas de estupro para romper mito de ‘culpa da mulher’

Em 2016, uma pesquisa do Datafolha encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostrou que mais de um terço dos brasileiros acredita que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”. No mesmo estudo, 30% disseram que “mulher que usa roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada”.

Da BBC

Exposição mostra roupas “normais” de vítimas de estupro no dia em que sofreram o ataque (Foto: Divulgação CAW East Brabant)

 

Uma exposição de roupas de vítimas de estupro na Bélgica, porém, contradiz essa lógica. Exibida em Bruxelas, a mostra traz trajes que mulheres e meninas estavam usando no dia em que sofreram a violência sexual e reúne calças e blusas discretas, pijamas e até camisetas largas.

O objetivo dos organizadores é derrubar o “mito teimoso” de que roupas provocativas são um dos motivos que leva a crimes de violência sexual.

A exposição levou o nome de “A culpa é minha?”, em referência à pergunta que muitas vítimas se fazem depois de um ataque.

“O que você percebe imediatamente quando vem aqui: todas as peças são completamente normais, roupas que qualquer um usaria”, afirmou Liesbeth Kennes, que faz parte do grupo de apoio a vítimas de estupro CAW East Brabant, organizador da exposição.

“Tem até uma camiseta de uma criança com uma imagem do filme ‘My Little Pony’ que mostra essa dura realidade”, disse.

Culpa da vítima

Kennes ressalta que “a culpabilização da vítima” ainda é um problema sério em casos de violência sexual. Ela cita que muitas mulheres se questionam se podem ter sido, de alguma forma, responsáveis pela agressão que sofreram por conta de alguma atitude ou de algo que estavam vestindo.

Em 2015, ela mencionou em uma entrevista a um veículo belga que apenas 10% dos estupros no país eram denunciados para a polícia e que, desses todos, somente um em cada dez resultava em condenação.

“Por trás desses números há pessoas de carne e osso. Mulheres, homens, crianças. Nossa sociedade não incentiva as vítimas a denunciarem ou a falarem abertamente sobre o que passaram”, pontuou Kennes.

No Brasil, estima-se que aconteça um estupro a cada 11 minutos – a subnotificação dos casos também é grande e somente 10% deles são levados à polícia, segundo o Ipea. São 50 mil casos registrados por ano, mas a estimativa é que existam pelo menos 450 mil.

Na pesquisa feita pelo Datafolha em 2016, 42% dos homens disseram que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”, enquanto 32% das próprias mulheres acreditam nessa mesma premissa.

Enquanto vítimas são acusadas de se vestirem de maneira provocativa ou de andarem sozinhas na rua à noite, Kennes reforça: “Só há uma pessoa responsável, uma pessoa que pode prevenir o estupro: o próprio estuprador”.

+ sobre o tema

Justiça alemã obriga homem a deletar imagens íntimas de ex-namorada

Uma briga entre ex-namorados acabou na Justiça alemã por...

Violação à intimidade: o gênero epistolar em A cor púrpura, de Alice Walker por: Waltecy Alves dos Santos

RESUMO: Neste artigo propomo-nos refletir sobre a inserção do gênero...

Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é doutora em Educação pela Universidade de...

para lembrar

Seppir cobra providências para crime contra Cláudia Silva Ferreira

Ministra encaminhou ofício ao Ministério da Justiça, pedido rigor...

O sexo impessoal do machão

Comentando o “Se eu fosse você'' Por Regina Navarro Lins A...

Mbp + lançamento da marcha das mulheres negras no Rio

Na última Sexta-feira o Coletivo Meninas Black Power teve...

Faz-de-conta, por Sueli Carneiro

Acaba de ser lançado o livro Não somos racistas,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=