Fátima Oliveira: Chegou meu tempo de morar num ‘loft’

Vida básica e vida simples como opções filosóficas

 

Por: Fátima Oliveira, no Jornal OTEMPO

 

 

Nem gosto de pão. Sequer consigo comer um pão francês inteiro, apenas a metade, mas devo declarar que não tê-lo fresquinho à mesa no café da manhã me incomoda, pois pão dormido não é pão; e congelado também não é pão. Meras imitações. Meu sonho de consumo é uma entrega de pão fresco cedinho em minha casa.

É um serviço que faz falta, porque levantar num friozinho para buscar um pão, para quem só come meio, beira as raias da insanidade… Fico na vontade e descongelo “minha banda” de pão francês e como aquela coisa quase ogra com manteiga… Como, mas não é pão!

Uma das minhas filhas ficou com ar patético quando falei que odeio não ter quem busque o pão e sonho com a entrega de pão fresco a domicílio… “Como a senhora complica a vida! Vai tomar café lá no Diniz (mercearia/padaria da Cidade Jardim). Eita preguiça! Essa de querer pão fresco delivery é demais! Sua doença é não ter mais a gente aqui pra fazer mandados. Sabia que mandar vicia?”. Retruquei: “Saber mandar é uma arte que domino, esqueceu?”.

Carro para mim

não é exibicionismo

de como anda o meu bolso. “Ora, pra ter

um carro melhor!”

Melhor pra quê e

pra quem?

Tomo café na padaria quando vou trabalhar, mas amo café da manhã em casa, uma zona de conforto e de ternura, como disse em “A mesa posta para o café da manhã é uma cultura de ternura” (O TEMPO, 19.7.2011). Comer bem é um direito humano fundamental. Detesto fast-food, comida “Frankestein”.

Nunca comi nos Macs da vida! Talvez, ranhetices sertanejas da velhice, mas meu norte é a filosofia “slow food”, uma face da ecogastronomia que defende a herança culinária, as tradições e culturas que tornam possível esse prazer.

É o tipo da conversa que descamba nos estilos culturais de vida e que viver na cidade grande interdita a adoção filosófica de vida básica e/ou vida simples: a simplicidade voluntária como opção – não é vida da penúria imposta pela pobreza nem de “canhenguices” franciscanas – de estilos de vida: a simplicidade como filosofia, que é um longo caminho, mas não exige viver em bolhas de simplicidade, como ecovilas, que é pra quem pode até dispensar veículos pessoais motorizados. O resto é sectarismo.

Sempre fui criticada por não levar uma vida segundo o “padrão de vida de médico”, coisa antiga, antes da proletarização da profissão, sobretudo por passar décadas (isso mesmo!) com o mesmo carro – ora, se eu uso um carro que, depois de mais de dez anos, não chega a 50 mil quilômetros rodados, por qual motivo tenho de trocá-lo, se carro para mim não é um cartão de exibicionismo de como anda o meu bolso? “Ora, pra ter um carro melhor!” Melhor pra quê e pra quem?

Meu carro não é uma moldura de minha vida, ao contrário: eu sou a moldura dele! A diferença é enorme e nada sutil se comparada a uma amiga que troca de carro religiosamente a cada dois anos. Eu a conheço há mais de 20 anos, sempre apertada, “pagando o carro”. É que ela diz que só usa “carro, carro, e não carroça!”. No sábado à noite, sabendo que ela “precisa” trocar o carro até julho, sugeri que poderia se libertar de passar o resto da vida pagando carro: vender o turbinado dela, que, com quase dois anos de uso, tem preço de mercado de cento e poucos mil, e comprar um Veloster, que é lindo, tem presença e enche os olhos por onde passa… E ainda sobraria um troco.

Ela: “Imagina eu de repente aparecer num carrinho desses, vão dizer que fali. Minha marca registrada é ter carrão”. E quando falei que chegou meu tempo de morar num loft, para simplificar a vida, ela disse: “Ai, que alívio! Pensei que simplificaria para uma quitinete!”. Ai, ai…

 

 

 

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Após sofrer preconceito na faculdade, merendeira do DF faz mestrado na UnB

Ela fez faculdade e pós graduação e quer ajudar...

De uma mana preta

De uma mana preta! Mulher,Mulher mãeMulher filhaMulher netaMulher periféricaMulher duraMulher...

para lembrar

02/09 – Tracking Vox Populi/Band/iG: Dilma tem 53% dos votos válidos

Segundo o último tracking antes da votação, diferença entre...

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Quem disse que o mundo não será mais o mesmo após tudo isso passar?

Será que o brasileiro nunca mais vai cortar pela...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=