Feminicídio: Sobrinha-neta de Sarney foi estuprada por cunhado antes de ser morta, diz polícia

A polícia do Maranhão apresentou, na manhã desta quarta-feira (23), o resultado do laudo do corpo da sobrinha-neta do ex-presidente José Sarney, assassinada no dia 13 de novembro. Segundo a polícia, Mariana Costa, 33, foi estuprada e lutou contra o agressor –o cunhado dela, o empresário Lucas Porto– para evitar ser violentada e morta.

Por Carlos Madeiro Do Uol

Segundo o delegado Geral da Polícia Civil, Lawrence Melo, o crime está esclarecido, e o inquérito foi encaminhado à Justiça ontem. “A autoria está determinada, as circunstâncias também estão esclarecidas, tanto pela prática do crime estupro, quanto homicídio qualificado”, declarou.

Melo afirmou que o laudo apontou marcas de violência na vítima, que indicam que ela tentou evitar o estupro e a morte. “Há marcas de extrema violência, demostrando que ela não queria praticar nenhum ato sexual. Isso demonstra a defesa da vítima, com várias lesões apontadas na necropsia”, informou.

lucas-leite-porto-que-foi-preso-acusado-de-matar-mariana-costa-a-sobrinha-neta-do-ex-presidente-da-republica-jose-sarney-pmdb-1479132561652_300x420

Segundo o delegado, ainda faltam chegar alguns outros laudos, mas que não devem mudar em nada a investigação. “Temos a pendência de alguns exames do estudo de genético forense para identificar material orgânico encontrado no local onde a vítima foi morta”, disse.

A polícia também confirmou que o exame toxicológico deu negativo tanto para o agressor, como para a vítima.

“Ele arrumou o quarto, alterou a cena do crime, demonstrando plena lucidez com relação ao ato do crime, bem como após a prática desses crimes”, disse, citando ainda que Porto tentou se desfazer das roupas usadas no momento do crime.

Ainda segundo o laudo, o sufocamento que matou Mariana foi feito com um travesseiro. “Ele deixou a vítima em casa, voltou e a surpreendeu quando estava dormindo. Ele mentalizou o ataque, consumou com uma esganadura e a matou quando estava desmaiada”, disse o secretário de Segurança do Maranhão, Jefferson Portela.

Sobre a alegação apresentada de um possível surto psicótico, o secretário contestou a hipótese. “No interrogatório ele fez várias reflexões que mostram que tinha pleno controle dos atos e das declarações”, afirmou.

O empresário chegou a negar o crime à polícia, em seu primeiro depoimento. Porém, um dia depois de ser preso, e após câmeras de segurança flagrarem o acesso dele ao local, Porto confessou o crime, alegando que tinha uma paixão incontida pela vítima.

Procurado pelo UOL, o advogado de defesa Jonilton Lemos disse que ainda não teve acesso aos laudos e que vai se pronunciar apenas sobre o caso “durante a instrução do processo.”

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=