Filme de Nigel Cole relembra protesto de mulheres por igualdade

Um filme que relembra como um grupo de operárias desafiou a montadora Ford, em 1968, ao exigir paridade salarial com homens, estreia na Grã-Bretanha nesta semana e já chega com resenhas favoráveis.

 

Made in Dagenham (Feito em Dagenham, em tradução literal) é dirigido por Nigel Cole, que obteve sucesso com As Garotas do Calendário — uma outra abordagem sobre mulheres reivindicando seus direitos.

Sally Hawkins é a protagonista, no papel de Rita, uma pacata maquinista que desafia a política da empresa de pagar às mulheres menos do que aos homens. Ela começa a atrair a atenção da mídia do país e de líderes políticos.

A greve interrompeu a produção da fábrica da Ford em Dagenham e, por fim, as mulheres acabaram conseguindo ter aumentos salariais. Segundo especialistas, foi uma ação decisiva para que o Parlamento britânico aprovasse o Projeto de Paridade Salarial, de 1970.

Para Hawkins, a história é um tributo à coragem das mulheres dispostas a correr o risco de despertar a ira de seus empregadores e colegas para obter a igualdade entre os sexos no ambiente de trabalho.

– Eu acho que será sempre uma luta que precisa ser travada, infelizmente –, disse ela, durante a recente pré-estreia.

– Mas acho que chegamos tão longe. Quando se revê a história recente, uma história que se pode quase tocar, e da qual pessoas da nossa convivência ainda se lembram –, disse.

– Quando a gente se recorda das coisas que elas eram obrigadas a aguentar…a gente pensa, bem, onde estaríamos sem elas.

Assim como Hawkins, a coadjuvante Rosamund Pike diz que a verdadeira igualdade ainda não foi conquistada.

– Seja qual for a razão, ainda recebemos menos e é uma luta que vale à pena ser lutada –, afirmou.

Bob Hoskins, que interpreta o simpático presidente do sindicato, diz que se lembra da cobertura feita pela mídia dos incidentes que se passaram há mais de 40 anos.

– Em 68, eu me lembro de ver na página 5 do jornal um artigo pequeno — era sobre essas mulheres que estavam entrando em greve por igualdade salarial em Dagenham –, disse.

– Eu pensei, espere um pouco, isso deveria ser notícia de primeira página, mas nunca foi. Sabe, era ultrajante.

Indagado se algumas das mulheres envolvidas com o protesto original haviam visto o filme, o diretor Cole afirmou:

– Elas viram e nós ficamos bem assustados –, afirmou.

– A expectativa era grande, mas fico feliz em dizer que elas adoraram. Elas sentiram que o filme capta o senso de humor delas. Nós também conseguimos contar a história delas de uma maneira que elas reconheceram.

 

 

Fonte: Correiodobrasil

+ sobre o tema

O dalai-lama é uma superlua em eclipse total definitivo

Conheci o dalai-lama em 1992, no salão nobre da...

1º Livro sobre Transfeminismo em Língua Portuguesa!

TRANSFEMINISMO: TEORIAS E PRÁTICAS Jaqueline Gomes de Jesus e Colaboradores Rio...

Polícia prende quatro PMs acusados de estupro em comunidade do Rio

A violência teve como vítimas três mulheres moradoras da...

Deputada Benedita da Silva: “A escravidão mudou do chicote para a caneta”

Preta e nascida na favela carioca, de pai pedreiro...

para lembrar

As diversas ondas do feminismo acadêmico

Os diferentes momentos dos estudos acadêmicos voltados às questões...

A primeira brasileira negra a escalar o Everest ganha biografia

“Dia 1º de abril. Parecia até mentira. Aretha, 37...

Ivone Caetano é empossada como desembargadora do Tribunal do RJ

Magistrada é a primeira mulher negra a ocupar o...

Entidades realizam abaixo-assinado para ratificar norma de proteção ao trabalho doméstico

Dirigentes do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de São Paulo...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=