Ginecologista da Zona Sul do Rio responde por racismo durante consulta: ‘A negra tem um cheiro mais forte’

Enviado por / FonteO Globo

Helena Malzac Franco é ré no Tribunal de Justiça do Rio. Especialistas negam relação do odor com pele negra

A médica ginecologista Helena Malzac Franco, que atende na Zona Sul do Rio, responde na Justiça pelo crime de racismo por ter dito durante uma consulta que o odor na genitália da paciente negra era devido sua “cor e do pelo”. No atendimento, ao ser questionada pela acompanhante da paciente se o cheiro acontecia apenas com pessoas negras, ela confirmou: “É muito comum. Não é 90%, mas a gente coloca uns 70%. Tem a ver com a melanina também”. A consulta foi gravada pela executiva Luana Génot, que levou a afilhada de 19 anos para ser atendida pela profissional. O caso foi revelado ontem pelo “Fantástico” da TV Globo.

— Ela disse que mulheres pretas tem mais probabilidade de ter um cheiro forte nas partes íntimas. De início eu me senti vulnerável fiquei no meu canto — disse a vítima, que não foi identificada.

O Ministério Público do Rio denunciou Helena Malzac pelo crime de racismo, por entender que a médica se referiu ao conjunto de mulheres negras. Ela se tornou ré e, em 31 de maio, foi interrogada na ação em que responde no Tribunal de Justiça do Rio. Durante a audiência, a ginecologista disse ter estudado sobre o tema na faculdade e que pesquisou sobre o assunto:

— Disse que as pessoas de cor tem um cheiro mais forte, pela minha experiência de 44 anos como ginecologista. Atendendo a todos os tipos de mulheres, a negra tem um cheiro mais forte. Tanto que essas firmas de desodorante, o desodorante pra negro é diferente — afirmou Helena ao ser interrogada.

Especialistas ouvidos pelo “Fantástico”, no entanto, rechaçam a médica. Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Heitor de Sá Gonçalves explica que negros podem ter uma quantidade maior de glândulas apócrina, que produzem mais uma secreção que é inodora e não existe relação entre a melanina e o odor corporal.

— Então, o que vai fazer essa secreção ter odor? Não tem nada a ver com a cor da pele. É a flora bacteriana, que é específica de cada individuo — disse.

No processo, Helena Malzac se defende dizendo que seu pai é negro e que “em momento algum ocorreu a intenção de ofender ou de discriminar alguém pela cor da pele.”

“O objetivo do comentário da ré foi estrito e visando exclusivamente tratar o mau cheiro com forte odor na região das virilhas”., diz trecho da defesa.

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

4 efeitos do racismo no cérebro e no corpo de crianças, segundo Harvard

A conclusão é do Centro de Desenvolvimento Infantil da...

A luta pela maternidade plena no feminismo negro

Como advogada criminalista e ativista do movimento negro, todos...

Vacina e racismo: brancos são 2 vezes mais vacinados do que negros, diz Agência Pública

O racismo é de tal forma estrutural no Brasil...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=