A gota de sangue – Luiz Eduardo Soares

A morte do cinegrafista da Band é uma tragédia e um ponto de inflexão no processo político em curso. Pela tragédia, me solidarizo com a dor de familiares e amigos. Quanto à política, esse episódio dramático é a gota d’água, ou a gota de sangue que muda a qualidade dos debates e das identidades em conflito.

Quebrar vitrines é prática equivocada, contraproducente e ingênua, mas compreensível como explosão indignada, ante tanta iniquidade e a rotineira violência estatal, naturalizadas pela mídia e por parte da sociedade. Mas tudo se complica quando atos agressivos deixam de corresponder à explosão circunstancial de emoções, cuja motivação é legítima. Tudo se transforma quando atos agressivos já não são momentâneos e se convertem em tática, autonomizando-se, tornando-se uma espécie de ritual repetitivo, performance previsível, dramaturgia redundante.

Os atos agressivos passam a ser a celebração narcísica da própria força, uma teatralização paradoxalmente impotente do ódio. As cenas se sucedem de modo a espelhar a brutalidade policial, realimentando o circuito destrutivo e autodestrutivo da violência, cujo simbolismo afirma o avesso da solidariedade, da fraternidade e dos valores gregários –corroídos pelos mecanismo vigentes de exploração capitalista.

Ou seja, a ritualização da agressividade, por parte de manifestantes, ecoa, reflete e reproduz o que pretende combater. Atos guerreiros instauram nas ruas uma linguagem monossilábica e fetichista que é a réplica grotesca do espírito do capitalismo. O vocabulário de atos agressivos é exíguo e o repertório de imagens, muito pobre –mero decalque do imaginário conservador do entretenimento midiático.

A prática de cooptação do PT esvaziou os movimentos e degradou a política. No vácuo da despolitização, ignorando as mediações, excitados pela legítima revolta contra as iniquidades e a brutalidade estatal, estimulados pelas manifestações de massa que mudaram a face do país, os grupos que insistem em adotar como técnica e tática a encenação da violência estão drenando a energia transformadora, desprendida na sociedade. Estão em marcha batida para o isolamento político. Seu destino é o gueto, a repetição de um enredo triste, auto-destrutivo e desagregador, mais do que conhecido. Atraídos pela visão do inimigo, reificam a volúpia da guerra e caem na armadilha desse velho game do poder: tudo começou com nossa denúncia de que o Estado, via polícias (e o sistema de justiça criminal, em seu conjunto), adotando visão militar, trata o suspeito como inimigo, criminaliza a pobreza e faz a guerra ao Outro. Hoje, os jovens que investiram na linguagem da violência têm um cadáver a sepultar e um caminho a rever. Eles estão militarizando o amor ao Outro e o sentido de fraternidade, que um dia entenderam como o avesso da ordem injusta que impera. Introjetaram a lógica do inimigo. Foram tomados pelo espírito que condenavam.

São inimigos de si mesmos. São cópias do inimigo que combatiam. Nesse sentido, foram vencidos. E não há pior derrota, nem mais radical.

Agora, repetem o horror que repudiavam, imitando os algozes que denunciavam. Atravessaram o espelho: com o rojão que mata em punho, aqueles que encenaram a violência converteram-se no avesso de si mesmos. São o outro, seus próprios inimigos.

Enquanto a história vira pelo avesso, O Globo comete um verdadeiro crime contra o jornalismo, procurando macular um dos homens públicos mais dignos e honrados de nosso país: Marcelo Freixo. Acusa-o, na capa, por interposta pessoa, e encerra o parágrafo com a indefectível sentença: “O deputado nega.” Isso não ocorreu por acaso: O Globo sabe perfeitamente que com a derrota dos grupos nas ruas e seu isolamento, com a desmoralização da linguagem da violência, o maior inimigo das iniquidades e da brutalidade estatal é a política, o espaço participativo em que as ruas e as instituições dialogam. Quem, no Rio, quiçá no Brasil, melhor do que Marcelo Freixo, hoje, representa essa via?

Tarefas que me atribuo: prestar solidariedade aos familiares da vítima fatal. Defender Freixo das calúnias e do cerco de que será vítima. Continuar dialogando com aqueles que ainda não se convenceram de que a energia precipitada em junho não pode perder-se no ralo dos guetos e da dramaturgia antiquada, previsível e essencialmente conservadora da violência. O ódio transformado em tática e técnica perde a legitimidade visceral de sua origem e se revela a mimetização especular do que há de mais nefasto na prática e na simbologia da “faca na caveira”, suprassumo da ideologia militar, autoritária e antipopular.

Fonte: Luiz Eduardo Soares

+ sobre o tema

Coragem! Uma lição de D. Paulo Evaristo Arns

Falar de D. Paulo Evaristo Arns não é fácil....

O que diabos aconteceu com a geração Y?!

Um texto sobre liberdade, responsabilidades e as misérias de...

Nosferatu: Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva   Noventa anos depois...

Incêndio atinge a Cidade do Samba no Rio

Segundo o presidente da Liesa, 4 barracões foram atingidos. Bombeiros...

para lembrar

Sérgio Martins – O corpo deixado de lado e a solidão diante da webcam

A longa trajetória de desenvolvimento da humanidade é marcada...

Chefão da Abril: “Imprensa pecou feio. É a vida”

Jornalista José Roberto Guzzo, membro do conselho editorial da...

O complexo de viralatas pode nos vacinar contra a raiva da mídia

Jura Passos Nem preciso dizer quantas coisas americanas são adoradas...

A mídia está substituindo o juiz no ato de julgar, denuncia Mariz

Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado de um dos...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...
-+=