sábado, novembro 27, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoGrupo Carrefour rejeita recomendação do Ministério Público do Trabalho após caso de...

Grupo Carrefour rejeita recomendação do Ministério Público do Trabalho após caso de racismo

O Ministério Público do Trabalho (MPT) propôs ao Hipermercado Atacadão, na Zona Oeste do Rio, a contratação de uma consultoria do movimento negro para orientar seus trabalhadores. A recomendação ocorre após uma auxiliar de cozinha ser demitida depois de denunciar racismo e intolerância religiosa cometida por outro funcionário. O órgão solicitou ainda a readmissão da vítima de racismo. Os dois pedidos foram negados pelo estabelecimento que pertence ao Grupo Carrefour.

Em entrevista ao UOL, a procuradora do Trabalho Fernanda Diniz diz que a empresa foi omissa e permitiu que o empregado adotasse tal postura racista e de intolerância religiosa.

“Esse funcionário dizia que não gostava de preto, está envolvido em caso de agressão física a uma outra funcionária e nunca foi punido. Neste caso de agressão, a empresa chegou a alegar acidente. Então, eu entendi é que a atitude omissa da empresa permitiu que ele fizesse tudo isso”, afirma.

Em razão da negação na recontratação da funcionária, a procuradora pediu indenizações coletivas de 50 milhões de reais. O valor não beneficiaria a profissional que foi vítima. Para danos morais individuais, a ex-funcionária deve ajuizar uma ação na Justiça.

“A omissão da empresa ficou clara. A rigor, essa demissão de justa causa também foi errada, pois pela CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], a justa causa tem que ser imediata. Não sendo, caracteriza perdão do funcionário”, explicou a procuradora.

O caso

Nataly afirmou que logo que começou a trabalhar no local passou a conviver com a discriminação de um colega. Segundo o MPT, a funcionária foi surpreendida com a frase “só para branco usar” em seu avental. A mensagem foi assinada e escrita por Jeferson Emanuel Nascimento, que assumiu o crime.

De acordo com documentos internos do próprio mercado, o funcionário já havia sido acusado de racismo e agressão contra outra colega de trabalho na mesma unidade.

“Eu fui desligada da empresa. Voltei no refeitório para pegar os meus pertences: celular, bolsa de remédio, carregador, e estava lá o avental. No mesmo momento eu tirei a foto, fotografei, mas fiquei muito chateada”, contou Nataly ao G1.

Posteriormente, Jeferson foi demitido, mas o MPT apontou que a demissão só ocorreu após o início da investigação do caso por promotores.

Resposta da empresa

À Globonews, o Grupo Carrefour diz que repudia veementemente qualquer tipo de discriminação. Confira a íntegra abaixo.

“O Atacadão atua a partir de políticas sérias de diversidade e repudia veementemente qualquer tipo de discriminação. Assim que tomou conhecimento do caso por meio do Ministério Público do Trabalho, abriu rigorosa sindicância para apurar o ocorrido, que resultou no desligamento do colaborador em questão.

A empresa reforça que, quando a denúncia do episódio mencionado foi realizada, a colaboradora já tinha sido desligada após avaliação de desempenho do período de experiência de 90 dias. O Atacadão conta com um canal exclusivo para denúncias, para que os funcionários possam reportar casos internamente de forma anônima.”

Leia também:

Mulher é demitida após denunciar racismo e intolerância religiosa em hipermercado no Rio

Haitiana será indenizada por assédio moral e discriminação racial no trabalho

Nunca fui tão humilhado, diz confeiteiro que acusa segurança de racismo

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
RELATED ARTICLES