Mulher é demitida após denunciar racismo e intolerância religiosa em hipermercado no Rio

Uma auxiliar de cozinha negra foi demitida após denunciar que foi vítima de racismo e intolerância religiosa em uma unidade do hipermercado Atacadão, na Zona Oeste do Rio. A justificativa para a demissão foi ter “se envolvido em situações de conflito com outros funcionários”.

Como mostrou a GloboNews nesta segunda-feira (31), Nataly Ventura da Silva, de 31 anos, afirmou que logo que começou a trabalhar no local já convivia com a discriminação de um colega.

Identificado como Jeferson Emanuel Nascimento, o funcionário é suspeito de ter ofendido a mulher por conta da cor de pele e da religião dela, que é o candomblé.

O Ministério Público do Trabalho afirmou que a funcionária foi surpreendida com a frase “só para branco usar” em um avental. A mensagem foi assinada e escrita por Jeferson.

O órgão, então, entrou com uma ação contra o estabelecimento, do Grupo Carrefour. A GloboNews teve acesso com exclusividade ao documento.

“Eu me senti menor que uma formiguinha. Eu me senti tão mal que eu fui pra trás chorando, cheguei em casa chorando e fiquei com aquilo na cabeça perguntando o porquê, mas não sou eu que tenho que me perguntar o porquê”, lamentou a funcionária.

Procurado pela GloboNews, o Atacadão disse que abriu sindicância para apurar o ocorrido, “que resultou no desligamento do colaborador em questão” (leia íntegra da nota ao fim da reportagem). A GloboNews também procurou Jeferson, que classificou o episódio como “brincadeira”.

Em depoimento, Jeferson assumiu que ser o autor da frase e afirmou que a Nataly pediu apenas para apagar a mensagem. De acordo com documentos internos do próprio mercado, o funcionário já havia sido acusado de racismo e agressão contra outra colega de trabalho na mesma unidade.

“Isso tem que parar. Até quando a gente vai viver se escondendo? Até quando a gente vai viver acuado por conta do preconceito alheio? Eu não acho certo, não acho justo comigo. Cheguei a ficar envergonhada”, disse a auxiliar de cozinha.

Mesmo após a funcionária levar o caso até a chefia, os gestores não puniram o funcionário de forma imediata, apenas o mandaram apagar as palavras.

Posteriormente, Jeferson foi demitido, mas o Ministério Público do Trabalho apontou que a demissão só ocorreu após o início da investigação do caso por promotores.

“Eu fui desligada da empresa. Voltei no refeitório pra poder buscar meus pertences, celular, bolsa de remédio, carregador, e estava lá o avental. No mesmo momento eu tirei a foto, fotografei, mas fiquei muito chateada.”

Na ação contra o hipermercado, o Ministério Público quer o pagamento de uma indenização de até R$ 50 milhões por dano moral coletivo, além da recontratação da vítima.

À Globonews, a procuradora do Ministério Público, Fernanda Barbosa Diniz, destacou a importância de denunciar casos de racismo dentro do ambiente de trabalho.

“O que nós buscamos é que a empresa crie um ambiente de trabalho seguro para os seus trabalhadores. Hoje, a gente vive hoje numa sociedade só para branco usar. E a nossa resposta quanto sociedade é qual? É a mesma resposta da chefia da Nataly, é apagar, esquecer, esconder. O que nós não podemos é continuar perpetuando essa prática”, declarou a procuradora.

O que dizem os citados

A Globonews pediu uma entrevista para os representantes do Grupo Carrefour, controlador do Hipermercado Atacadão, mas eles enviaram apenas uma nota. Confira a íntegra abaixo:

“O Atacadão atua a partir de políticas sérias de diversidade e repudia veementemente qualquer tipo de discriminação. Assim que tomou conhecimento do caso por meio do Ministério Público do Trabalho, abriu rigorosa sindicância para apurar o ocorrido, que resultou no desligamento do colaborador em questão.

A empresa reforça que, quando a denúncia do episódio mencionado foi realizada, a colaboradora já tinha sido desligada após avaliação de desempenho do período de experiência de 90 dias. O Atacadão conta com um canal exclusivo para denúncias, para que os funcionários possam reportar casos internamente de forma anônima.”

A GloboNews também entrou em contato com o funcionário acusado de racismo, e ele negou que seja racista. Jeferson também disse que tudo se tratava apenas de brincadeiras no ambiente de trabalho.

+ sobre o tema

Ato no Grajaú protesta contra morte de jovens pela polícia

Protesto acontece um ano após a morte de Dudinha,...

Israel: judeus etíopes são confundidos com refugiados e agredidos

Por: GUILA FLINT   Em meio a uma onda de violência,...

para lembrar

Heraldo Pereira: ‘Só eu e minha família sabemos o que eu sofri’

À revista Raça Brasil, o jornalista Heraldo Pereira diz...

Dias sem Fim (All Day and a Night)

Recentemente estreou na Netflix o Filme de Joe Robert...

A ambígua trajetória do racismo no futebol no Brasil

Entenda o racismo e a própria trajetória do negro...

Justiça concede liberdade a professor preso após filmar abordagem de PMs no Rio

O professor de artes cênicas, Lucas da Silva Nascimento,...
spot_imgspot_img

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...
-+=