Hoje não se negoceia em Wall Street: é dia de Martin Luther King Jr.

Desde 1986 que se realiza, nos Estados Unidos, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova Iorque estará encerrada, assim como a maior parte das escolas, grandes empresas e departamentos considerados como não essenciais.

Por se tratar de um feriado relativamente recente, ainda não existe uma tradição festiva para assinalar o dia que presta homenagem à vida e aos feitos do mais famoso proponente do fim da segregação racial em sólo norte-americano. Mas a história deste feriado tem quase tantos anos quantos aqueles que passaram desde o assassinato de Martin Luther King Jr., em 1968, no Lorraine Motel, em Memphis, no estado do Tennessee.

Pouco depois de morrer, às 19h05 do dia 4 de abril, foi lançada uma campanha para tornar o seu dia de aniversário, 15 de janeiro, num dia feriado. As uniões sindicais lideram o processo. O Congresso norte-americano, que tem competências para estabelecer feriados federais nos EUA, só o aprovou em 1986, depois de uma petição que reuniu cerca de seis milhões de assinaturas e o patrocínio do músico Stevie Wonder, com a música “Happy Birthday“.

Eternizado pelo discurso “I have a dream” (“Eu tenho um sonho”, em portugês), Martin Luther King Jr. marcou gerações pelo movimento que defendia a igualdade racial. Foi assassinado em Memphis depois de uma ação de apoio à comunidade afro-americana, funcionários dos serviços sanitários desta cidade do Tennessee. Reclamavam igualdade nas condições de trabalho e nos salários. Na altura, o mayor(cargo equivalente ao de presidente da Camâra em Portugal) Henry Loeb pagava salários mais baixos aos trabalhadores negros em comparação com os funcionários caucasianos. Não existiam uniformes, casas de banho, sindicatos reconhecidos nem contratos coletivos de trabalho para estes trabalhadores, sendo assim vítimas de discriminação.

Martin Luther King Jr. deixou um legado importante e inter-geracional num país que sofre com problemas sociais, como o racismo. Em 2004, a política norte-americana deu um passo decisivo na igualdade racial ao eleger o primeiro presidente negro da história dos EUA, Barack Obama.

A bolsa de Nova Iorque estará fechada esta segunda-feira, não havendo transações numa das maiores praças bolsistas do mundo. Até ao final do ano, Wall Street estará encerrada mais sete vezes.

+ sobre o tema

Lo negro

  Una reflexión sobre cómo en la lengua lo negro...

Por um Distrito Federal sem racismo

No Dia da Consciência Negra, a AGÊNCIA BRASÍLIA entrevista...

China anuncia linha de crédito de US$ 20 bilhões à África

O presidente da China, Hu Jintao, anunciou nesta...

Hoje na História, 5 de Dezembro de 2013, morria Nelson Mandela

Um ano depois da morte de Nelson Mandela, nesta...

para lembrar

Atletas que cometerem crimes de racismo devem ser proibidos de jogar, defende secretário baiano

O Secretário de Relações Internacionais do governo da Bahia,...

Música negra, branquitude e muita emoção – “A Voz Suprema do Blues”

Esperei muito por essa estreia da Netflix, com Viola...

Continente africano resistiu bem à crise

  O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) confirmou...

Salvador: Espetáculo faz homenagem à cantora mineira Clara Nunes

Considerada uma das maiores intérpretes do país, a cantora...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Iza anuncia que terá uma menina e o nome será Nala

O primeiro bebê de Iza e Yuri Lima já teve o sexo revelado: será uma menina. A cantora contou a novidade aos fãs na noite desta segunda-feira (13),...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=