Inteligência ficou cega de tanta informação?

Crença no valor da ciência não é um fato da natureza

Em 1543, Nicolau Copérnico publicou seu livro “De Revolutionibus Orbium Coelestium” (Da revolução das esferas celestes), apresentando a teoria do modelo heliocêntrico. Galileu Galilei endossou essa perspectiva ousada para aquela época, afirmando que a Terra não era o centro do universo, mas orbitava ao redor do Sol.

A aceitação dessa ideia representou mais do que uma simples revolução científica; foi também uma transgressão contra a ordem estabelecida. Em 1633, Galileu foi condenado por heresia pela Inquisição Romana, uma instituição criada pela Igreja Católica Romana com o objetivo de combater crenças consideradas contrárias à doutrina da igreja. Somente em 1992 a Igreja Católica reconheceu seus erros históricos e, de forma tardia, revogou a condenação de Galileu.

Desde então, muita coisa mudou. O avanço tecnológico permitiu uma expansão sem precedentes na história humana do acesso e da geração de novos conteúdos. Esse acontecimento deu voz a muitos que estavam à margem, abrindo portas para uma ampliação nas possibilidades de compartilhamento de conhecimento.

Galileu Galilei – Wikimedia Commons

No entanto, ao mesmo tempo, o expressivo crescimento do volume de informações trouxe consigo uma série de efeitos colaterais indesejados. Um deles está intimamente ligado à estafa mental. A sobrecarga de informações tende a afetar negativamente a capacidade cognitiva.

A fragmentação de nossa atenção dificulta a concentração em atividades importantes. No meio de tantos conteúdos, identificar aqueles verdadeiramente relevantes tornou-se uma tarefa adicional na rotina diária. Durante o processo de filtragem, é natural perder demasiado tempo com assuntos irrelevantes ou, às vezes, deixar-se levar por uma correnteza de superficialidades.

A cosmologia heliocêntrica de Copérnico nesse diagrama do seu De Revolutionibus – Biblioteca del Congreso de EE.UU.

No passado recente, a geração de conteúdos era marcada por alguns oligopólios. Poucas empresas ditavam o que tinha valor para ser transmitido e moldavam os pensamentos de milhares de mentes submissas. Hoje, embora certos oligopólios ainda permaneçam, os algoritmos exercem grande influência na determinação do que merece ser entregue.

Nesse cenário, é comum presenciar que não é o argumento mais bem fundamentado que avança, mas sim aquele capaz de evocar as maiores reações emocionais. As emoções passaram a exercer um papel mais influente na formação de opiniões do que os próprios fatos. Em parte, isso é um reflexo da nossa maior propensão a consumir conteúdos que validem nossas crenças e, muitas vezes, repelir qualquer perspectiva contraditória.

A revolução digital não apenas transformou a forma como consumimos informações mas também redefiniu a própria essência da influência, dando destaque às emoções que ecoam em cada interação digital. A ilusão em massa sobre aquilo que é verdadeiro levou o sensacionalismo e o populismo a um outro patamar. Ao mesmo tempo, a busca pelo bem comum ficou ainda mais desafiadora com a maior fragmentação da população em distintos grupos.

Nesse contexto, a nossa relação com a informação não apenas se tornou polarizada mas também permeada pela intensidade das emoções, moldando de forma profunda a maneira como percebemos o mundo ao nosso redor.

Em 2016, em um cenário em que a crença pessoal passou a subjugar os fatos objetivos na condução da opinião pública, a palavra pós-verdade foi eleita a palavra do ano pelo Dicionário Oxford. Entretanto, em 1922, Weber já dizia que “a crença no valor da verdade científica é produto de certas civilizações, não um fato da natureza”.

Desde Copérnico e Galilei, a ciência iluminou o caminho do progresso. Contudo, apesar dos avanços, ainda não somos muito diferentes daqueles que promoveram a sombria Inquisição Romana.


O texto é uma homenagem à música “Não Olhe pra Trás“, composta por Alvin L e Dinho Ouro Preto, interpretada por Capital Inicial e Lenine.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

‘Números da Discriminação Racial’ é um chamado para repensar nossas políticas

Existem avanços no cenário racial brasileiro. Houve uma melhora...

Como a ciência sustentou a ideia de inferioridade biológica da mulher

Entender como o ser humano se desenvolve no ventre...

Os ricos, os pobres e o Marcelo Medeiros

No Brasil e em vários países do mundo, existe...

Quinta pessoa é curada do HIV após transplante de células-tronco

Um homem de 53 anos da Alemanha foi curado...
spot_imgspot_img

Ricos (não) merecem o que têm?

Privilégio representa alguma vantagem ou direito que uma pessoa ou grupo tem, independentemente de ter sido obtido por esforço próprio ou não. Privilégio nem...

Educação dos ricos também preocupa

É difícil imaginar o desenvolvimento de uma nação sem a participação ativa dos mais abastados. Aqueles que, por capricho do destino, nasceram em ambientes...

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...
-+=