Sexismo e racismo em Viena, nenhuma novidade

Alguns músicos da Sinfônica de Viena comemoraram quando, há 15 meses, Jasmine Nakyung Choi foi nomeada para a primeira flauta. Eles viram nisso um sinal de tolerância em uma sociedade muitas vezes discriminatória.

Mas não deu nada certo. No último sábado, seus colegas votaram contra sua permanência. Motivos musicais? Não, aparentemente nada deste gênero.

O informadíssimo Norman Lebrecht ouviu fortes rumores de sexismo e racismo. Nada que surpreenda, na verdade. O que surpreende é que Jasmine tocou muito bem, sendo elogiada durante toda a temporada, mesmo num péssimo ambiente.

Mesmo assim, a direção da orquestra convidou-a para permanecer mais um ano, mas ela decidiu afastar-se do grupo hostil e voltar ao mercado de trabalho.

É triste ver Viena reforçar tais estereótipos históricos.

Por: Milton Ribeiro

Fonte: Milton Ribeiro

+ sobre o tema

Vídeo: morador de rua é humilhado em abordagem da PM em Curitiba

Flagra: policiais usam de força desproporcional durante abordagem a...

A cor e a raça nos censos demográficos nacionais

Branco, preto, pardo, amarelo e indígena. Essas são as...

Torcedores protagonizam cenas de racismo em estádio na Ucrânia

País sediará a Eurocopa, principal competição de futebol da...

Racismo que matou João e vitimou Miguel encontra reação nas urnas

O racismo desvaloriza as vidas negras. João Alberto Silveira...

para lembrar

RODRIGO DE MATOS NOGUEIRA

Vítima: RODRIGO DE MATOS NOGUEIRA Ação de Indenização pó...

Faculdade de Direito vai recomendar a adoção de cotas raciais na USP

Decisão saiu após reunião da Congregação da tradicional instituição....

IBGE: 3 em cada 4 pessoas com nível superior são de cor branca

CIRILO JUNIOR A presença de pretos e pardos com nível...

Agência da ONU para os direitos humanos lança banco de dados para combate ao racismo

    O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=