Funcionária de academia será indenizada por racismo: “cabelo de defunto”

Enviado por / FontePor Melissa Souza, do EM

Empregada será indenizada em R$15 mil por danos morais ao sofrer injúria racial; caso ocorreu em Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira

Uma funcionária de uma academia em Juiz de Fora (MG), na Zona da Mata, será indenizada em R$ 15 mil por sofrer racismo. De acordo com a Justiça do Trabalho de Minas Gerais, um dos proprietários do estabelecimento fez comentários negativos sobre o cabelo da vítima, chamando-o de “cabelo de defunto”.

A empregada será indenizada por danos morais, uma vez que sofreu ofensa racial no ambiente de trabalho. Segundo testemunhas, o chefe da funcionária fazia comentários negativos em tom de brincadeira na frente de outras pessoas, mas apenas ele achava graça no que dizia.

Outra testemunha também confirmou a situação e alegou, ainda, que a vítima ficava com os olhos marejados de lágrimas depois das ofensas proferidas. A colega de trabalho disse que o dono da academia fazia “brincadeiras” com outros empregados, mesmo com aqueles que diziam não gostar da situação.

No entanto, uma terceira testemunha informou que a vítima também brincava com o chefe e já o chamou de “bocão”. Diante das injúrias raciais, a testemunha informou ao autor do crime que a empregada não tinha gostado das palavras direcionadas a ele e que ele não cometeu mais ações do gênero.

Para a trabalhadora, ainda que o chefe tivesse o costume de fazer “brincadeiras” com os demais empregados e alunas da academia, não se pode jamais confundir brincadeira com ofensa racial.

No entanto, uma terceira testemunha informou que a vítima também brincava com o chefe e já o chamou de “bocão”. Diante das injúrias raciais, a testemunha informou ao autor do crime que a empregada não tinha gostado das palavras direcionadas a ele e que ele não cometeu mais ações do gênero.

Para a trabalhadora, ainda que o chefe tivesse o costume de fazer “brincadeiras” com os demais empregados e alunas da academia, não se pode jamais confundir brincadeira com ofensa racial.

Segundo a profissional, “no momento em que ele comparou o cabelo dela com cabelo de defunto, atacou o sentimento de dignidade, especialmente porque, por muito tempo, e, pelo visto, ainda nos dias atuais, os cabelos crespos, ‘dreads’ e tranças, que também simbolizam resistência, eram associados à falta de higiene, a algo feio, sujo e mal cuidado”.

O desembargador responsável pelo caso entendeu que a profissional foi vítima de ofensa racial no ambiente de trabalho, sendo irrelevantes os fatos de haver outros empregados negros e do chefe ter a praxe de realizar “brincadeiras”. Para ele, a conduta do chefe ao se referir à autora como “cabelos de defunto” não pode ser vista como mera “brincadeira”, e sim como verdadeira ofensa extrapatrimonial e que deve ser indenizada.

­No processo, a academia ficou como responsável principal pelos créditos devidos à trabalhadora, sendo os dois sócios, incluindo o chefe, responsáveis de forma subsidiária. O processo foi remetido ao TST para exame do recurso de revista.

+ sobre o tema

Ficar calada não é uma opção!

Hoje trago um relato pessoal, para incentivar aqueles que...

Especialista explica razões que levaram a UnB a adotar sistema de cotas

  O professor da Universidade de Brasília (UnB) José...

Duas pessoas são condenadas por racismo e injúria racial no DF

Ex-policial e irmã dele cumprirão a pena em regime...

para lembrar

Quem defende nossas crianças da branquitude ?

Sou uma mulher negra e essa é a coisa...

‘Descendentes precisam saber que história da África é tão bonita quanto a da Grécia’

Principal africanólogo brasileiro, diplomata Alberto da Costa e Silva...

Resistência negra brasileira, o 20/11: Dia Nacional da “Consciência Negra”

É preciso lembrar de Zumbi dos Palmares e também...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=